Nos últimos dias, fomos surpreendidos, com a notícia de três furacões, devastando as regiões do Caribe (isso mesmo: três!), chamados: Katia, José e Irma 1, sendo este último, considerado o maior furacão da história do Oceano Atlântico. Ele ganhou muita força nesses últimos dias, avançou para os EUA e somente hoje, 11/09/2017, começa a perder força.

No caso do furacão Irma, os estragos e os rastros de destruição deixados por onde ele passa são imensuráveis. Pessoas mortas,  desabrigadas e outras desaparecidas; cidades inteiras em escombros, enchentes e alagamentos, riscos de doenças “tropicais”. O pânico causado por ser uma catástrofe inevitável, falta de água e alimentos básicos, são algumas das consequências deixadas por um desastre como esse. Não bastasse isso, comércios e casas estão sendo saqueados por pessoas mal intencionadas usando a desgraça como desculpa. Temos, aqui no Brasil, uma expressão popular muito Infeliz: “A ocasião faz o ladrão”, tentando justificar saques, roubos e atitudes ilícitas após alguma tragédia que persiste em ficar. Ou então: “Deixe alguém com fome por mais de três dias e veja do que ela é capaz”. São expressões que infelizmente se parecem muito com o contexto histórico atual do nosso Brasil onde os “espertos” sempre buscam levar vantagens de qualquer forma e a qualquer custo, sem medir as consequências de seus atos.

Mas, como nem tudo está perdido, uma nova expressão popular sabiamente foi construída sobre a antiga: “A ocasião revela o ladrão”, mostrando que o ladrão (o intento de fazer o mal) já estava ali oculto em algum “cantinho” do coração resistindo aos bons costumes e princípios. Como cristãos, somos diariamente transformados pelo evangelho que é o poder de Deus, sendo assim, nossos princípios são inegociáveis, independentemente da situação, ou “ocasião”. Recordo-me de acompanhar os noticiários quando um tsunami atingiu o Japão, destruindo também tudo que encontrou pela frente, onde os japoneses faziam filas organizadas, respeitando idosos, mulheres e crianças.. Sim, essa cena me chamou muito a atenção. A cultura japonesa é uma das mais fantásticas do mundo, em minha opinião, mas preciso lembrar que independentemente da cultura, não se pode esperar muito do ser humano sem Cristo. Por isso, sempre veremos fatos lastimáveis em catástrofes e tragédias como estas. Somente desfrutaremos da verdadeira paz e justiça, no reinado do Senhor Jesus, ao qual aguardamos ansiosos.

Em tragédias como essas, ao menos um fator positivo (se é que podemos assim chamar) se destaca: A solidariedade. Há uma comoção mundial quando sabemos de um ataque terrorista, ou de um furacão, terremotos, Tsunamis, inundações, alagamentos, seca, fome, pestes e outros desastres. Mesmo que estejamos tão longe, desejamos nossos pensamentos mais positivos, direcionamos nossas orações, e quando possível, ajudamos financeiramente E tem ainda aqueles que estão perto e enviam água e mantimentos e se colocam como voluntários.

Na semana passada, acompanhei um noticiário onde um ex-morador de rua estava trabalhando como voluntário nos abrigos criados para receber os desabrigados pelos furacões no Caribe. A função dele era apenas separar as roupas por gênero e tamanho para facilitar a busca das pessoas que não tinham mais nada. Em entrevista, o voluntário disse que já passou por isso, e tudo que pudesse fazer para ajudar, ele faria. Imediatamente, após as inundações causadas pelo furacão muitas pessoas, civis comuns, saíram com seus barcos resgatando centenas de vidas que estavam confinadas em suas casas aguardando, talvez, apenas a morte chegar. As autoridades reconheceram que a ajuda dos civis foi fundamental para salvar muitas vidas. Enquanto isso, outros voluntários já pensam no futuro dos sobreviventes e começam campanhas para angariar fundos que serão destinados a reconstrução das casas, dos bens e da vida dos atingidos, quando estes, saírem dos abrigos. A vida sempre deve continuar, haja o que houver, tudo se torna mais fácil quando vemos as oportunidades de recomeço, onde muitos só enxergam desgraça.

Dois contrastes do ser humano ficam em evidência nessa ocasião: De um lado, homens maus buscando seus próprios interesses, saqueando e se aproveitando da desgraça alheia. Vale tomar nota que ao acompanharmos os noticiários não vemos os saqueadores levando água e comida, ou seja, o necessário para matar a fome. Não!!! O que vemos são pessoas levando eletrônicos e eletrodomésticos caros, e muitas vezes carregam grandes volumes em caminhonetes, que muitos de nós, teremos que trabalhar a vida inteira para conseguirmos. Longe de justificar, mas é totalmente diferente de alguém que por ventura entra em um estabelecimento já danificado, e pega uma garrafa de água para matar sua sede. Sem falar que isso não será considerado saque, pois a pessoa ainda terá a oportunidade de voltar aquele estabelecimento e pagar por aquela garrafa de água coletada em um momento de desespero extremo.

Na outra ponta, existem pessoas com suas lutas e dificuldades, que abrem mão do conforto e bem estar, para estender a sua mão e ajudar de qualquer forma, revelando na dor e na angústia um sentimento de amor e ternura e companheirismo, mostrando que fomos criados por Deus para viver bem e em harmonia. Se todos pensassem dessa forma, seria raro encontrar seres humanos em situação de necessidade em qualquer hora e local, não apenas nos desastres.

Outro fator que chama muito a atenção em tragédias como o do furacão Irma, é a capacidade das autoridades em prever e atuar de forma antecipada. Os civis foram alertados com muita antecedência da possível chegada e do fortalecimento do furacão. Isso foi um diferencial, muitas vidas foram salvas com esse procedimento. Infelizmente no Brasil, ainda somos atrasados na habilidade de prevenção de catástrofes e desastres naturais. Investimos pouco e depois gastamos o dobro com remédios e tratamento para recuperação de sobreviventes. Nos EUA, existe um Centro Nacional de Furacões, onde os estudos de meteorologia são levados a sério e o investimento na prevenção de emergências é grande. Aqui, tivemos deslizamentos de terra como no Rio de janeiro, alagamentos na região Sul do país, o desastre de Mariana, e enquanto escrevo, fico imaginando um vulcão em erupção ou um furacão chegando ao Brasil. Quantas vidas seriam ceifadas pelo descaso dos nossos governantes?

Tornados e Tempestades da Vida

Em nossa vida diária, somos inúmeras vezes surpreendidos por furacões, tornados e tempestades os quais representam as adversidades, as lutas, angústias e aflições que enfrentamos em nosso caminhar. Diferentemente das catástrofes naturais, as tempestades em nossa vida chegam de forma sorrateira, quando não estamos preparados e em alguns casos, os efeitos também são devastadores. Podemos citar alguns exemplos: Um casamento que está em ruínas por causa de adultério, quantas vidas são envolvidas em uma situação assim? como estão os familiares da pessoa traída e da pessoa que traiu? Os filhos pequenos que não entendem o que acontece, filhos adolescentes que perdem de vez o rumo da vida e entregam-se ao mundo da rebeldia e drogas,  brigas por questões materiais e etc. Esse é um exemplo de tempestade avassaladora que qualquer casal está sujeito a enfrentar, tanto de um lado como do outro. Quando um pai e/ou mãe descobrem sobre a homossexualidade do filho, para muitos o chão desaba, a vida acaba, outros ainda tem sua vida destruída no caminho das drogas e da prostituição. Outro exemplo, são dificuldades financeiras, quando um pai de família ou de quem traz o sustento pra casa, fica desempregado, com muitas contas pra pagar, filhos pequenos para alimentar. E agora? Como agir diante de determinadas situações? A Palavra de Deus tem respostas para essas questões.

A perseverança é uma ferramenta muito útil nesses momentos, pois seu significado é: “Conservar-se firme em um propósito”, é uma capacidade de não se entregar, de não desistir em meios às adversidades, por piores que estas sejam. Da mesma forma que não podemos prever a tragédia, não podemos afirmar por quanto tempo a tempestade vai durar em nossa vida, podendo ser curta e passageira, ensinando-nos pequenas e valiosas lições. A tempestade pode ser tão destruidora quanto um tornado, um furacão arrasador que não deixa nada em pé, mas quando aprendemos a ser perseverantes, isso passa a ser mero detalhe, pois sabemos que quando vier a bonança, a tormenta vai embora.

Na carta de Paulo aos Filipenses no capitulo 4 verso 13 lemos: “Tudo posso Naquele que me fortalece”, onde é  abordado em todo o capítulo, que Deus dá toda a força para aqueles que precisam enfrentar a desgraça, a tragédia, a fome, a miséria e Ele também nos fortalece nos bons momentos, na bonança. Quando estamos firmados na Rocha (Mateus 7:24-25), que é Cristo, Deus nos ajuda e nos fortalece pra enfrentarmos qualquer situação, seja ela boa ou ruim. Lemos também, acerca daqueles que confiam em Deus: “Então, na sua angústia, clamaram ao Senhor, e ele os livrou das suas tribulações.” (Salmos 107:13). É notável a alegria de uma pessoa em situação de desastres naturais ao receber ajuda de outras pessoas, é algo incrível. A pessoa percebe que não está sozinha naquela dificuldade, sua maneira de enxergar o problema.

Imagine agora a benção de saber que Deus, está com Seu braço estendido pra você, pronto a te ajudar a sair da sua situação de dificuldade. Na sede de algo melhor, Jesus se apresenta como a “Água da vida” (João 4:14), onde quem beber jamais tornará a ter sede. Em meio a fome de carinho e amor que enfrentamos nas situações difíceis de nossa vida, Jesus se apresenta como o “Pão da Vida” (João 6:35), onde quem provar Dele, será saciado e não voltará a ter fome. Quando a luz no fim do túnel parecer apagada e você não mais souber para onde ir, Jesus é a “Luz do Mundo” (João 8:12), e assim não mais vacilarão os seus pés, e não haverá mais pedra de tropeço que lhe impeça de caminhar rumo aos seus objetivos. E você, caro leitor, que pode estar lendo esse texto por acaso, que colocou em seu coração que "não dá mais...", porque as lutas em sua vida estão grandes e que você não tem mais forças pra continuar, chegou no seu limite, chegou ao fundo do poço, quero repetir à você, o convite do Mestre e Senhor Jesus:

"Vinde a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados e Eu vos aliviarei. Sejam Meus seguidores e aprendam comigo porque Sou bondoso e tenho um coração humilde; e vocês encontrarão descanso para vossa alma

Mateus 11:28-29

Sendo assim, digo à você, prezado leitor, que ninguém está imune as catástrofes naturais, e nem as tempestades e tornados da vida. Existe um louvor cantado por nós que nos dá um sábio conselho: “Se as águas, do mar da vida, quiserem te afogar. Segura na mão de Deus e vai”. Enquanto a filosofia do mundo e suas canções nos recomendam: “Deixa a vida me levar, vida leva eu”. Vamos refletir sobre esses dois conselhos, qual parece ser mais coerente? Ser guiado por Deus e saber que no final, no momento certo, de acordo com a vontade de dEle, tudo correrá bem, ou deixar ser levado pela vida e suas paixões, sem destino, sem rumo, chorando a cada dia pelas escolhas erradas e sendo cada vez mais difícil de encontrar uma saída? Muitos nessa situação encontram no suicídio a única saída, por não enxergarem mais nada a sua frente.

Permita que Jesus seja hoje a sua saída e descubra que mesmo em meio ao mar de desilusões da vida, existe sim, paz, amor, uma vida de bênçãos e alegria, cercados da graça de Deus. Deus ama você, pagou um alto preço pela sua liberdade e salvação, não deixe que um furacão, por maior que seja em sua vida, tire essa certeza de seu coração. Creia, pratique sua fé no Cristo em meio as adversidades e perceba a diferença de estar desenganado em uma tempestade sem fim, e de estar enfrentando as batalhas com fé, foco, perseverança e na certeza que Deus está com você.

Referências

1 http://g1.globo.com/mundo/noticia/furacao-irma-chega-a-ilhas-do-sul-da-florida.ghtml (Acesso em 11/09/2017)

Artigos Relacionados

Batistas do Sétimo Dia sofrem com tragédia em Serra Leoa Batistas do Sétimo Dia sofrem com tragédia em Serra Leoa
Diversos noticiários pelo mundo relataram semana passada uma grande tragédia que aconteceu em Serra Leoa, no continente africano. O país que é um...
"Somos Todos Chapecoenses": Reflexão sobre uma tragédia!
Ao levantar hoje pela manhã, 29 de novembro de 2016, e ligar a TV, me defrontei com uma trágica notícia: um voo que levava uma equipe de 22...