Como nunca antes, as discussões referentes a sexualidade e gênero tem agitado as mídias e redes sociais do país. Três acontecimentos nas últimas semanas têm desencadeado diferentes reações, e exigido dos cristãos respostas e posicionamentos bíblicos.

O primeiro deles foi o cancelamento da exposição artística intitulada Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, promovida pelo Banco Santander, a qual estava em cartaz há quase um mês na cidade de Porto Alegre (RS). A mostra reunia 270 trabalhos de 85 artistas que abordavam questões de gênero e diversidade sexual. O cancelamento ocorreu após ondas de protestos em todo o país. Enquanto muitos aprovaram o cancelamento, outros o consideraram uma limitação dos direitos de liberdade de expressão.

O segundo foi a repercussão de comentários da atriz Taís Araújo a respeito de sua filha de 2 anos. Ela teria ficado “arrepiada”, pois sua filha fez algo “contrário a tudo” o que ela acredita: preferir bonecas como brinquedo e vestidos rosa! Ela acredita que brinquedos e roupas específicos para gênero acabam reforçando estereótipos de gênero.

E o terceiro foi a decisão judicial sobre a “cura gay”. A liminar de um juiz do Distrito Federal autoriza agora os psicólogos a oferecerem tratamentos de “reversão sexual”: pacientes com orientação homossexual podem procurar agora auxílio clínico para mudarem esse aspecto de sua personalidade, se assim o desejarem. A medida foi vista como preconceituosa e homofóbica pelos grandes veículos da mídia.

Esses episódios levantaram uma série de questões: devemos impedir a arte de retratar a sexualidade humana? Os gêneros não são construções sociais, independentes de nosso sexo biológico? Estimular os homossexuais a mudarem sua orientação não seria uma forma de preconceito e opressão? Por que não podemos aceitá-los simplesmente como são? Vamos olhar a algumas dessas questões com uma visão bíblica e cristã.

Apenas uma Exposição “Cultural”?

As críticas direcionadas à exposição do Banco Santander ocorreram por várias razões. Primeiramente, diversas das obras escarneciam da religião cristã (de Cristo, hóstias e da Virgem Maria). Outras, promoviam imagens de crianças com frases ligadas à homossexualidade (não as repetirei aqui por não achar apropriado). Uma pintura demonstrava o estupro de uma cabra. Diversas fotos exibiam órgãos e relações sexuais, tudo isso em um evento sem classificação etária e financiado com dinheiro público!

Em uma reportagem da RBS TV, no dia 12 de setembro, uma professora de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) comparou a exposição “cultural” do Santander às obras de artistas renascentistas como Da Vinci e Michelangelo, e declarou que lamenta o fechamento da exposição. Segundo ela, as ditas obras apenas “convidam ao debate”, e ela pensa que seus “direitos” de ver a exposição foram “cerceados”.

Em um momento anterior da reportagem, um dos “artistas” lamentou que a “arte” esteja sendo censurada. Segundo ele, o “compromisso da arte é ser livre e questionar”.

Contudo, escarnecer ou vilipendiar objetos de culto religioso e promover pedofilia e zoofilia são crimes previstos em lei. Apenas para dar alguns exemplos:

Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso:

Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.

Art. 208 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40

Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público:

VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

Art. 225 da Constituição Federal

Veja também a Lei 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Alguns argumentaram que a exposição apenas tinha a intenção de promover a discussão e mostrar que as crianças também podem debater sobre sua sexualidade. Contudo, devemos ter em mente que crianças têm uma mente aberta para aceitar a maior parte do que veem ou escutam, especialmente porque antes dos 20 anos nosso córtex pré-frontal, a região cerebral responsável por estabelecer juízos morais e controlar as emoções, não está bem desenvolvido.

Outros viram as críticas à exposição como um ataque aos homossexuais. Como cristãos, não somos favoráveis a quaisquer ataques, físicos ou verbais, à comunidade LGBT [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros] ou a quem quer que seja. Cremos que todos eles são seres criados à imagem e semelhança de Deus, com valor e dignidade eternos, apesar de não crermos que seus atos sejam aprovados pelas Escrituras (veja comentários mais abaixo). A discussão, porém, não é sobre se se deve lutar por direitos, mas por quais direitos estão lutando, por quais meios e quem está pagando por isso. Não estamos tratando aqui de questões inócuas a respeito de “liberdade de expressão”.

Deve-se ressaltar ainda que tudo estava sendo promovido com um “investimento” de R$ 800 mil, obtidos da Receita via Lei Rouanet - que o Santander decidiu devolver - enquanto necessidades mais urgentes do país ficam de lado. [1]

Ideologias de Gênero? 

Muitas pessoas acreditam que não nascemos como homens ou mulheres, mas nos tornamos, a partir de nossas experiências e escolhas. Assim, não poderíamos tentar pré-definir o seu gênero, por meio de roupas ou brinquedos específicos.

Contudo, há diferenças reais entre homens e mulheres desde o nascimento. Essas diferenças são genéticas, anatômicas, hormonais e psicológicas. [2]

Pesquisadores da City University colocaram uma gama de brinquedos a cerca de um metro de 90 crianças com idades entre os nove meses até aos 36 meses. Posteriormente, gravaram o tipo de brinquedos com os quais eles brincavam e durante quanto tempo. Eles puderam verificar que os meninos passavam a maior parte do tempo com os carros e com as bolas, enquanto que as meninas passavam a maior parte do tempo com as bonecas. [3] Não há porque Taís Araújo ter ficado “arrepiada” por sua pequena filha gostar de bonecas...

Tais dados, entre diversos outros, estão de acordo com a revelação de Deus na Bíblia, de que há diferenças entre os gêneros, que se complementam entre si, com tanto o homem quanto a mulher sendo dignos e valiosos às vistas de Seu Criador.

Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Deus os abençoou, e lhes disse: ‘Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra.’” 

Gênesis 1:27-28

 Na Antiga Aliança, Deus foi muito claro quanto a não haver confusão entre os gêneros:

A mulher não usará roupas de homem, e o homem não usará roupas de mulher.

Deuteronômio 22:5 a 

O Senhor Jesus também destacou a diferenciação natural entre os gêneros, apontando para o padrão bíblico de Gênesis:

Ele respondeu: "Vocês não leram que, no princípio, o Criador ‘os fez homem e mulher’ e disse: ‘Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne’?

Mateus 19:4-5

 Apesar de a mídia estar alimentado confusões especialmente entre crianças e adolescentes, de acordo com o DSM-V (Diagnostic and Statistical Manual of the American Psychiatric Association), cerca de 98% de meninos e 88% de meninas “confusas” com o gênero aceitam o seu sexo biológico após o período da puberdade. [4]

“Cura gay”?

Ao observar todas as polêmicas com a decisão judicial a respeito da “cura gay”, convém destacar que está havendo manipulações de informação. O documento reconhece claramente que a homossexualidade não é uma doença, e sequer usa a expressão cura gay. O que o Juiz permitiu foi que aqueles que desejarem ser tratados por psicólogos a respeito de sua sexualidade, possam o ser, pois o Conselho Federal de Psicologia havia proibido tal tipo de acompanhamento. Ou seja, o que ocorreu foi uma restituição da liberdade individual do cidadão em procurar ajuda profissional para um comportamento ou tendência que deseja abandonar em si mesmo. Não há qualquer tentativa em se forçar uma mudança em quem não a deseja.

Mas, do ponto de vista cristão, o que podemos dizer sobre as tendências homossexuais em certas pessoas? A Ciência ainda não apresentou respostas absolutas sobre a origem do comportamento homossexual, e já foram apresentadas teorias diversas. Deveríamos então deixar de apontar tal orientação como pecaminosa? Vejamos o que o pastor Brian Schwertley declara:

O fato de que todos os seres humanos nascem com uma orientação (ou inclinação) para o pecado não justifica desejos ou comportamento pecaminosos. A Bíblia diz que todos os homens nascem mentirosos (Salmos 58:3). A Bíblia também diz que mentir é pecado (Êxodo 20:16 Deuteronômio 5:20); e adiante diz que os mentirosos não entrarão no reino de Deus (Apocalipse 21:27). [...] O argumento de que a orientação para a homossexualidade de alguma forma a faz aceitável a Deus pode ser usado para justificar qualquer comportamento pecaminoso. Um tal argumento destrói a responsabilidade pessoa; ele tornaria a lei de Deus sem sentido e desnecessária a salvação por meio de Cristo. [...] Alguns afirmam que os atos homossexuais são de fato imorais, mas sentimentos e desejos homossexuais para alguns são inatos e, portanto, inevitáveis e não pecaminosos. A Bíblia ensina que não é pecado ser tentado (Cristo foi tentado, embora nunca tenha cometido pecado, Hebreus 2:18). O que é pecaminoso é quando uma pessoa abriga aquilo que o tenta, fantasia e faz planos para praticar aquele comportamento pecaminoso. [5]

 Conclusão

A Bíblia nos exorta a estarmos “sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em nós.” (1 Pedro 3:15) Devemos permanecer firmes em nossas convicções e oferecer às pessoas posicionamentos bíblicos a seus questionamentos.

E acima de tudo, não esqueçamos que nós próprios somos pecadores, necessitados da salvação de Cristo. Nas palavras do pastor John Piper, “a homossexualidade não é um pecado pior e nem tão comum quando ganância, orgulho, egoísmo e raiva”. Mas graças ao Senhor Jesus, que se fez homem e morreu na cruz em nosso favor, já que “todos nós precisamos do mesmo Salvador, e o sangue de Jesus é o suficiente para lavar cada pecado e remover todo julgamento, nos dando cura e alegria eterna.” [6]

Referências

[1] Santander promete devolver à Receita dinheiro de exposição cancelada. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/cultura/artes-visuais/santander-promete-devolver-receita-dinheiro-de-exposicao-cancelada-21809674>.

[2] Veja por exemplo: Como ele pensa; como ela pensa: as diferenças entre os sexos. Disponível em: <https://super.abril.com.br/ciencia/como-ele-pensa-como-ela-pensa-as-diferencas-entre-os-sexos>.

[3] Boys ‘prefer cars from early on’. Disponível em: <http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/education/8624999.stm>.

[4] American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 5 ed., 2013, p. 451-459.

[5] Homossexualismo: Uma Análise Bíblica. Disponível em: <https://gracamaior.com.br/estudos/diversos/246-homossexualismo-uma-analise-biblica.html>.

[6] Is Homosexuality the Worst Sin? John Piper Answers. Disponível em: <http://www.christianpost.com/news/is-homosexuality-the-worst-sin-john-piper-answers-183044>.