Assim sendo, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade.

Hebreus 4:16 

Muitas vezes ficamos relutantes em entregar nossas vidas e preocupações inteiramente nas mãos de Deus. Naturalmente achamos que devemos usar nossa própria força, inteligência e capacidade para tentar resolvê-las. Sempre queremos que seja resolvido do nosso jeito e dar aquela “ajudinha”. Tal atitude é bastante compreensível e é “natural”, principalmente, no contexto atual em que vivemos, onde nos acostumamos a receber e ver os resultados de nossos esforços de maneira muito rápida e de sermos orientados a termos o controle total de nossa vida, o que nos força a nos tornarmos completamente autônomos.

O problema disso é que muitas vezes nos deparamos, ou eventualmente, vamos nos deparar, com situações nas quais nossas forças e capacidade não irão resolver absolutamente nada dos problemas que aparecerem. Ter o completo controle da própria vida também é algo que cansa, gera ansiedades e nos leva até mesmo à exaustão, pois, certamente, vamos perceber nossas incapacidades, más escolhas e frustrações.

Mas Cristo faz um convite aos cansados e oprimidos com as muitas frustrações da vida: se entregue a Jesus e troque seu fardo e jugo pesados com o dEle, que é leve e suave (Mateus 11 28-30). Depois da troca de jugo, Jesus promete nos ajudar a carregar o jugo e o fardo dele, ainda que suave e leve, por todos os dias até a consumação dos séculos. (Mateus 28:20). Perante a maravilhosa ajuda, passamos a entender o quanto somos dependentes do socorro divino, do Espírito Santo consolador que está a nosso dispor todos os momentos de nossas vidas.

Essa presença constante do Senhor demonstra que a absoluta liberdade de Deus é usada em nosso favor, ainda que tenhamos dificuldades para nos entregar a vontade do Senhor, por não compreendê-la ou controlá-la. Graças ao imenso amor e bondade de Deus, Ele tem sempre demonstrado agir com providência, perdão e misericórdia com todos aqueles que se arrependem e se rendem a Ele. Diante disso, por que adiar e procrastinar uma verdadeira e confiante entrega da nossa vida, nossos problemas e preocupações, das nossas tristezas, lutas e decepções, nossos desejos e vontades (pecaminosos ou não) ao Senhor Jesus?

A verdadeira entrega é o resultado de uma rendição completa da alma e do coração, é a morte do “eu” em prol do viver para Cristo. É passar por cima de toda resistência, do orgulho e da vergonha e se entregar ao único Deus que está pronto para nos receber com amor, provisão, perdão e misericórdia, todos os dias (Lamentações 3:22). A verdadeira entrega acontece a partir do nosso esforço diário, quando abrimos mão da necessidade de ter o controle, reconhecemos nossa condição frágil e invocamos o nome de Cristo, para que o Espírito Santo conduza diariamente nossas vidas e o nosso caminho.

A confiança é fruto da lembrança diária que temos um Deus que sempre cumpriu o que prometeu (Números 23:19), que é muito mais poderoso do que podemos imaginar, muito mais amoroso e misericordioso do que nossa capacidade e senso de justiça podem conceber. Um Deus sublime e tão infinito, que se encarnou na forma de homem para morrer em nosso lugar, para que tivéssemos vida, e que demonstrou Seu poder em Sua ressurreição, possibilitando, assim, um relacionamento com Ele. Dessa maneira, estamos diante de um Deus absolutamente confiável.

Clamar ao Senhor em quebrantamento não significa que não confiamos nele. Buscarmos a Deus em clamor e súplica, demonstra que, no fundo, sabemos que só Ele pode resolver o que nos aflige e preencher o vazio que nos desespera. Davi clamava porque confiava no Senhor, e o Salmos 22 é uma evidência disso.

Assim como Deus fez na vida de Davi, Ele fará em nossas vidas, conforme dito pelo nosso Senhor Jesus:

"E qual o pai de entre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, também, se lhe pedir peixe, lhe dará por peixe uma serpente?
Ou, também, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião?
Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem? "

Lucas 11:11-13

Como não se entregar, amar e confiar em um Pai assim como o nosso Deus? Corramos, pois, agora, com amor e confiança para os braços do nosso maravilhoso Pai Celestial!

Artigos Relacionados

A eternidade de Deus x Mortalidade do homem, sexta-feira
Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente. Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente. Hebreus 13:8 Todos n&...
A eternidade de Deus x Mortalidade do homem, quinta-feira
Que homem há, que viva, e não veja a morte? Que homem há, que viva, e não veja a morte? Livrará ele a sua alma do...
A eternidade de Deus x Mortalidade do homem, quarta-feira
Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, Que transformará o nosso...
A eternidade de Deus x Mortalidade do homem, terca-feira
Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor. Porque o sal&...