Além de outras coisas, ainda pesa diariamente sobre mim a preocupação com todas as igrejas.    

2 Coríntios 11:28

Amados irmãos e irmãs, graça e paz da parte de nosso Senhor Jesus Cristo vos sejam multiplicadas!

Após alguns momentos de oração e reflexão, agora assentado na minha sala de estudos, tendo à minha frente o teclado e a tela do computador, com a determinação de escrever um novo artigo desta série — Mensagem do Presidente — e sabendo que deveria elaborar um texto fazendo alusão às perdas de queridos que integravam o ministério batista do sétimo dia brasileiro, levantei-me e fui à cozinha tomar água. Estava lá sozinho.

Enquanto sorvia aquela água leve e refrescante, tive o olhar desviado para cima da mesa. Chamou-me à atenção uma pequena toalha do nosso bebê, Maria Luíza, bordada por uma das muitas tias e avós associadas da igreja, com os seguintes dizeres: “E ele lhes enxugará dos olhos toda lágrima”. Só isso. Mas, naquele instante voltei ao laptop na sala para reescrever o texto. Veio nova inspiração.

Na toalhinha branca da minha pequena Maria Luíza está escrita em bordado azul marinho apenas a frase acima mencionada. Convém atentarmos agora ao verso completo, onde o profeta de Patmos, proclama:

 Ele lhes enxugará dos olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem lamento, nem dor, porque as primeiras coisas já passaram.    

Apocalipse 21:4

Dirijo-me agora a todos os amados irmãos, membros da família batista do sétimo brasileira, que nestes últimos dias perderam um parente querido ou alguém próximo. Recentemente o Senhor chamou para o descanso eterno o Pastor Francisco Goulart, da IBSD de Campo Grande, Mato Grosso do Sul e o Presbítero Ari Lourival de Souza, da IBSD de Pavãozinho, Paraná.

Em 02 de abril de 2019, o amado Pastor Francisco Goulart partia para a eternidade. Tive a elevada honra de, no dia seguinte, 03 de abril, ministrar o seu funeral em Campo Grande/MS. Foram momentos de rara, incomum e contagiante consternação. Ele era um homem muito amado por todos! Lá estavam pastores amigos de diferentes igrejas evangélicas — que a mim se uniram na ministração da cerimônia de despedida. Lá estavam os colegas dele, operadores do Direito no Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Mato Grosso do Sul. Lá estavam pessoas expressando profunda gratidão, porquanto foram conduzidas aos pés da cruz por seu intermédio. Eram ovelhas do seu pastoreio. Lá estavam vizinhos e amigos. Enfim, lá estavam a dedicada esposa — agora viúva — irmã Cleuza Goulart, os filhos, genro, noras e a linda netinha.

Por outro lado, estive no encerramento do Encontro de Jovens Batistas do Sétimo Dia, em Agudos do Sul, Paraná, no dia 14 de abril de 2019. Ao retornar a Curitiba, guiado pelo Pastor Antônio Lourival Ferreira, fomos visitar seu “mano”, o Presbítero Ari Alves Ferreira, acometido de câncer. Toda a família se reuniu na espaçosa cozinha da casa. Tomamos um bom café. Após isso, conversamos sobre a gravidade da sua situação, abordando os tratamentos médicos e o magnífico poder de Deus. Um mês após isso, precisamente em 15 de maio, chega-nos a notícia de sua chamada final. O funeral, no dia seguinte, 16 de maio, foi ministrado pelo Pastor Paulo Kliguer, da Segunda Igreja Batista do Sétimo Dia de Curitiba (Boqueirão).

Quantas perdas, não é mesmo? Quem entre nós já não teve uma desilusão na vida? Na verdade, acredito que muito mais do que somente uma.

Nós sabemos que desilusões e decepções são parte integrante de nossas histórias. Cada desilusão nos faz perder um pouco de esperança, traz um sentimento de tristeza, frustração e desapontamento. Nós deixamos de acreditar nas promessas, nas palavras, nos gestos, nas organizações, nas pessoas. As desilusões deixam marcas na vida da gente. Lidar com elas nem sempre é fácil. Isso porque, antes delas chegarem, já houve situações que nos encheram de sonhos e boas expectativas. É por isso que elas vêm, machucam e nos fazem caminhar pela estrada da desconfiança. Isso não é nada bom. Num mundo de muitas desilusões, confie no Deus da esperança e da alegria! Declare com seus lábios e creia com seu coração, e restauremos a confiança entre nós.[1]

Amada Igreja, temos proclamado incansavelmente a grande verdade de que, desde que nossos primeiros pais (Adão e Eva) fracassaram no Jardim do Éden, o pecado passou a todos os homens e, pelo pecado, a morte. Estamos pesarosamente cônscios de que por mais felizes e graciosos que sejam os dias, meses e anos que passamos na companhia de nossos amados aqui, sempre chega a hora de dizer “adeus” — a hora da despedida final — nessa esfera da existência.

Às famílias enlutadas aceno com as palavras proféticas insculpidas no Livro da Revelação que, altissonante, proclamam: “Bem aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor” (Apocalipse 14:13 1ª parte).

Em verdade, estas palavras são muito consoladoras!

Nesse cenário, sinto-me compelido a concordar com o Pastor Billy Graham quando afirmou que “a esperança cristã se baseia em dois mundos — este e o próximo. Quando se tem em vista esses dois mundos, achamo-nos adequadamente preparados para uma vida plena aqui. O cristão possui a esperança de uma vida de alegria, paz e amor ao próximo em meio a um mundo de dificuldades, a esperança de melhores condições de vida como resultado da influência cristã em qualquer sociedade ou coletividade. A grande e suprema esperança do cristão, no entanto, acha-se no mundo que virá. É verdade que uma pessoa não se acha preparada para viver, enquanto não estiver preparada para morrer”.[2]

Estejamos, pois, conectados com a Palavra de Deus frente às realidades de nossa vida diária. Somos desafiados a lembrar sempre que Cristo, sendo Deus, mergulhou na humanidade e, estando nela, mergulhou na morte, porém, dela saiu triunfante do outro lado, porquanto ressuscitou. Assim, podemos anunciar, alto e bom som, o paradoxo (contradição apenas aparente) de que a morte não é o fim. Glória a Deus! Aleluia!  

Sim, irmãos enlutados, Jesus em breve voltará! Ele prometeu. Ele é fiel! Sua vinda é certa. Confiemos no Senhor!

Consolemo-nos uns aos outros com estas palavras!

Deus nos abençoe!

Bernardino de Vargas Sobrinho

Pastor Geral  Presidente da Conferência Batista do Sétimo Dia Brasileira


[1] HOEPFNER, Gilson R. Castelo Forte – Meditações Diárias, 2019. Comissão Interluterana de Literatura. 1ª ed., São Leopoldo: Editora Sinodal e Editora Concórdia - Coedição, 2018 (mensagem da terça-feira, 19/02/2019).

[2] GRAHAM, Billy. Mundo em Chamas. 2ª ed., Rio de Janeiro: Editora Record, 1968, p. 281.

Artigos Relacionados

Conforto aos Enlutados!
A todos os amados irmãos, nesta singular família Batista do Sétimo Brasileira, que nestes últimos dias perderam um parente querido, ou alguém próximo...
11 versículos para ajudar a confortar o enlutado 11 versículos para ajudar a confortar o enlutado
“Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo” (Jo 16:33). Aflição: “sentimento de agonia, sofrimento intenso,...
Uma Igreja Contextualizada Uma Igreja Contextualizada
  Além disso, enfrento diariamente uma pressão interior, a saber, a minha preocupação com todas as igrejas.     2 Coríntios 11:28 Amados...
Igreja Visível versus Igreja Invisível Igreja Visível versus Igreja Invisível
  Além das coisas exteriores, me oprime a cada dia o cuidado de todas as igrejas.     2 Coríntios 11:28  Amados irmãos e irmãs, graça e paz da...