Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado. "Todas as coisas me foram entregues por meu Pai. Ninguém conhece o Filho a não ser o Pai, e ninguém conhece o Pai a não ser o Filho e aqueles a quem o Filho o quiser revelar. "Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve".

Mateus 11:25-30

Não é fácil cumprir o Princípio do Descanso, de levar tudo ao Pai no corre-corre do mundo atual. Porém, tudo na vida tem um motivo e um objetivo. A Bíblia é um livro de direções e de Princípios. É por isso que tudo que está escrito na Palavra tem um objetivo. “Tudo que foi escrito, para nosso ensino foi escrito.” (Romanos 15:4). O descanso é algo criado por Deus. “Abençoou Deus o sétimo dia e o santificou, por que nele descansou de toda a obra que realizara na criação.”  (Gênesis 2:3). Conforme a narrativa do livro do Gênesis, Deus abençoou o sétimo dia e o consagrou, pois tinha cessado nesse dia toda a obra que havia criado e estabelece o “Dia de descanso”. Ali estava criado o dia separado para o louvor do Criador. Mas o pecado deturpou tudo! O homem, que antes do pecado era chamado a viver de maneira ordenada: administrando a terra em submissão ao Senhor e, no sétimo dia, descansando em Deus. Que tinha entendimento que tudo o que ele realizasse, tanto no trabalho como no descanso, deveria, sempre, ser para honra e louvor a Deus, passa a viver de forma insana, sem tempo para Deus e para si mesmo. Ainda no livro de Gênesis podemos ler que, após o pecado do homem, Deus passeava no jardim do paraíso, à brisa da tarde, em busca do homem e da mulher, que se esconderam dele! (Gênesis 3-11). A partir do pecado o homem passou a comer o pão com o suor do seu rosto (Gênesis 3:19) e  perdeu o privilégio de passear com Deus à brisa da tarde. Com a entrada do pecado, o sentido do trabalho e do descanso se perdeu, o pecado trouxe desequilíbrio, e hoje vivemos num mundo de pessoas cansadas, estressadas, aflitas e ansiosas, em virtude das pressões que as necessidades e responsabilidades trazem sobre si.

Muitas pessoas na correria do dia a dia não desfrutam da companhia de Deus e nem da companhia da própria família. Ocupação é a enfermidade moderna, da qual muitos sofrem. Mas mesmo em meio a todo esse caos, Deus oferece uma saída: o Descanso.

Em Mateus 11:28-30, encontramos o seguinte conselho, “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” Tantas vezes nossas preocupações pesam tanto, que nos sentimos fadigados sem forças, como se estivéssemos levando o mundo nas costas e isso acontece pelo fato de nos recusarmos em colocá-los nas mãos de Deus. Vamos lançar nossas ansiedades nas mãos de Deus, não vamos recusar o convite de lançarmos sobre Ele todas as nossas ansiedades, porque Ele tem cuidado de nós (1 Pedro 5:7).

Precisamos, diariamente, buscar em Deus a prática de colocar o nosso futuro nas mãos do Senhor, de confiar as nossas preocupações aos cuidados Dele. Precisamos constantemente trazer a nossa memória aquilo que nos traz esperança (Lamentações 3:2). Deus nos ama e quer nos sustentar e nos confortar. Para nos salvar e nos livrar do sofrimento eterno, Deus nos deu Jesus, que através de Sua morte na cruz deu o direito a todo aquele que Nele crer, de ser chamado de filho de Deus. Jesus morreu e ressuscitou ao cremos Nele como nosso Senhor e Salvador. Somos perdoados de todos os nossos pecados e abençoados pela promessa que após nossa passagem por este mundo, viveremos com Ele no Céu.

As nossas forças são limitadas e por isso temos que saber quando devemos parar para descansar. Assim, encontrar o sonhado descanso torna-se não uma questão de escolher o lugar mais bonito, as companhias mais divertidas ou os jogos preferidos. Embora tudo isso possa até ser encontrado. O verdadeiro descanso requer muito mais uma disposição interior: a de abandonar todo espírito ativista que temos vivido no dia a dia, que gera tanta desunião e murmuração, para nos reencontrarmos através de relações interpessoais carinhosas e de um verdadeiro espírito de caridade, que é o louvor que Deus espera de nós. “Um abraço, um beijo, um afago, o sol de toda manhã, um almoço em família, o vento no rosto, um sorriso, uma boa lembrança, um bom amigo, um jogo de futebol, chocolate, a praia, uma festa, cantar, gritar, comemorar, Tão simples, e tão necessário! Mas tão esquecido pela rotina.

Ninguém mais aproveita as coisas simples da vida; Ninguém dá o devido valor…. Correria? Eu diria acomodação. Há solução? Simples. É só olhar em volta, e perceber o quão maravilhoso é estar vivo. Ver que existem tantas coisas no mundo, e sobretudo, ter vontade de olhar, ver e descobrir tudo o que for possível. Saber viver! Eu diria… aproveitar. Crer. Sentir. Perceber. Aceitar. Sonhar… Amar. Amar a Deus, amar as pessoas, amar o dia, a noite, o canto dos pássaros e sobretudo, amar a vida! Amar, viver e crer que tudo pode sempre melhorar. Tirar um tempo para descansar não é sinal de fraqueza. Deus, em sua infinita sabedoria, reservou um dia para que desfrutássemos da sua criação, para que parássemos e olhássemos à nossa volta e contemplássemos a glória de Deus.

Encontramos nos Salmos 19:1 uma passagem que nos lembra que: “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos”. A natureza bela e deslumbrante, foi projetada como um indicador para um Criador ainda mais belo e deslumbrante. Em outras palavras, ela possui glória por causa de seu Criador, não em si mesma. É isso o que Davi está nos dizendo no Salmos 19 “Os céus proclamam a glória de Deus”. Nossos momentos de descanso, passatempos e lazer devem ser para nos proporcionarem oportunidades de desfrutarmos das dádivas que Deus nos concede, de reservarmos um tempo de qualidade com Deus e com o nosso próximo.

Por vezes, estamos envolvidos em tantas coisas que acabamos não tendo tempo para a família e amigos. O fato é que o combate ao stress físico, mental e psicológico são aliados da boa saúde. E as atividades de lazer são formas de divertimento, descanso ou desenvolvimento que podem trazer inúmeros benefícios. Então, devemos sim considerar imensamente importante os momentos de lazer e viagens com a família, enfatizarmos a importância de separar um momento no seu dia a dia para descansar, ir à igreja, ouvir uma canção, ir ao cinema, ler a Bíblia, um bom livro, etc. Separando um tempo para o convívio com plantas, com animais, artesanato, esporte, dança, ginástica, passeios de bike, a pé… Convivendo com pessoas especiais ou até mesmo um tempo só.

A necessidade de descanso é algo que podemos sentir no nosso corpo e na nossa mente, mas nem sempre temos uma ideia muito clara do que significa realmente descansar: uns descansam simplesmente dormindo; outros olhando uma paisagem; outros, de temperamento mais ativo, inventam formas tão complicadas de descansar que acabam se cansando mais do que antes. O descanso, na verdade, é algo que toca profundamente nosso desejo de felicidade, de bem-estar, de reconquista do “paraíso perdido”.

No “paraíso” bíblico, ou seja, antes do pecado, o trabalho humano significava cuidar da obra da criação, em submissão a Deus. Podemos encontrar este chamado dirigido a nós na ordem: “Enchei a terra e dominai-a” (Gênesis 1:28). No entanto, Jesus veio resgatar o verdadeiro sentido dessas realidades. Os Evangelhos mostram em Jesus – o modelo do homem – a ordem restabelecida entre trabalho e repouso; quantas vezes o vemos separar um pouco do seu tempo de intenso trabalho na cura e evangelização, na propagação e instauração do Reino, para retirar-se e descansar com seus amigos!

O descanso não é fuga do trabalho ou irresponsabilidade, mas uma necessidade que o ser humano tem, de interromper uma série de atividades produtivas para desfrutar de atividades nas quais não existe nenhuma tensão pelos resultados. Lazer, portanto, não é um período de ficar apenas na inatividade, mas de “ocupar-se” em atividades que não gerem nenhuma das cobranças interiores que cansam a mente e o corpo.

Diante de tudo o que vimos, fica clara a necessidade de a família se unir para orar e escutar de Deus o que Ele deseja proporcionar-lhes naquele sábado, naquelas férias, naquele feriado. Encontrando em Jesus a verdadeira alegria e o autêntico descanso, “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1 Coríntios 10:31).

Deus declarou que tudo de sua criação é bom. Então eu penso que seja plenamente bíblico dizer que os passatempos são atividades que podem ser feitas para a glória de Deus – passear, acompanhar esportes, cuidar do jardim, fazer exercícios, ouvir uma canção, praticar atividades ao ar livre e muitas outras coisas – e devem ser desfrutadas pelo cristão. Não desperdicemos nossos momentos de lazer, usemo-los para glorificar Aquele que nos dá essas coisas, a Aquele que nos concede vida, fôlego e força para desfrutá-las. Lazer e passatempos devem ser feitos para a glória de Deus. Reserve um tempo para descansar com seu cônjuge. Descubra a importância que “atividades compartilhadas” possuem em seu casamento. Separe três experiências que os tenham unido e ainda é uma fonte de afetuosas recordações. Estas experiências envolveram “Qualidade de Tempo” em atividades compartilhadas. Planeje um novo evento que potencialmente venha a se tornar outra fonte agradável de recordação. As atividades a serem compartilhadas pelo casal devem ser criadas segundo os interesses dos dois, de forma que ambos os cônjuges venham a apreciá-las.

A Bíblia nos mostra um convite de libertação: “Vinde a mim”. Essa visão de privilégio, de reconhecer o Shabat como descanso, mostra os motivos de Jesus, o porquê d’Ele chamar aqueles que já conheceram o Filho: para lhes dar a libertação específica do cansaço e da opressão. Ficam aqui nossas orações para que juntos, como a família, vivamos verdadeiramente o descanso que o Senhor conquistou para nós.

Perguntas para reflexão

  1. Você concorda que quando o ser humano aceita o presente de Deus, de descansar no sétimo dia, ele tem a oportunidade de enxergar a grandeza de Deus e sua imensurável obra que embeleza o mundo, e imaginar o que Ele pode fazer em nossas vidas se tomarmos o propósito de O adorar, proclamar sua glória e anunciar as obras de Suas mãos?
  2. Diante de tudo o que vimos, fica clara a necessidade de a família se unir para orar e escutar de Deus o que Ele deseja proporcionar-lhes naquele sábado, naquelas férias, naquele feriado. Você tem buscado a direção de Deus para esses momentos específicos da sua vida?
  3. O descanso, na verdade, é algo que toca profundamente nosso desejo de felicidade, de bem-estar, de reconquista do “paraíso perdido”. Você concorda com essa afirmação?
  4. Deus, em sua infinita sabedoria, reservou um dia para que desfrutássemos da sua criação, para que parássemos e olhássemos à nossa volta e contemplássemos a glória de Deus. Você tem feito isso?

Artigos Relacionados

Sétima opressão, domingo
  Toda a iniqüidade é pecado, e há pecado que não é para morte. .  Toda a iniqüidade é pecado,...
Sexta opressão, domingo
  Qualquer que comete pecado, também comete iniqüidade; porque o pecado é iniqüidade. .   Qualquer que comete...
Quinta opressão, terça-feira
  Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado. .   Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado...
Atividades com crianças movimentam igrejas pelo Brasil em outubro Atividades com crianças movimentam igrejas pelo Brasil em outubro
 Instrui a criança no caminho em que deve andar, e mesmo quando envelhecer não se desviará dele.     Provérbios 22:6 (A21) Em sua obra “...