Banner da lição da escola bíblica vigentePara se se ter uma vida espiritual saudável, a busca diária através da oração e da leitura bíblica não é algo opcional. Se quisermos permanecer de pé espiritualmente, mesmo sendo bombardeados todos os dias pelo inferno e todos os tipos de tentações, é imprescindível buscar na fonte eterna, que é Cristo Jesus, forças para cada dia de batalha. Cada cidadão do Reino de Jesus deve tomar sua carne, suas vontades e lançar-se de vez, sem olhar as circunstâncias adversas.

Receba os Devocionais

  8 E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo. 9 Do pecado, porque não crêem em mim; 10 Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais; 11 E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado.    

João 16:8-11 

INTRODUÇÃO

Temos estudado nessa revista várias áreas e conceitos sobre o Espírito Santo, nesta aula em específico atentaremos para a obra d’Ele na salvação. Vemos que esse assunto é muito pertinente para nossos dias, uma vez que nos deparamos com pessoas querendo saber o que precisam fazer para serem salvas. Além disso, vemos as que já são salvas querendo saber o que podem fazer para o Reino. Todas essas indagações têm a ver com a ação do Espírito Santo, pois é Ele quem Se move em todo esse processo.

 

O ESPÍRITO SANTO CONVENCE

 

O Espírito Santo tem um papel fundamental na salvação, pois é Ele quem convence a pessoa de que ela precisa de um salvador, e que não consegue chegar lá pelos seus próprios esforços. É muito comum ouvirmos histórias de cristãos que pregaram por anos o evangelho para uma pessoa se converter e não vê nenhum progresso. Mas, de repente, essa pessoa percebe que precisa de Cristo, aceita-O e tem sua vida transformada. O que será que aconteceu? Por que de uma hora para outra ela “cai em si” e muda sua forma de viver? É o Espirito Santo que convence a pessoa que ela precisa de Jesus. E quem seria esse ser divino e sua função? Wayne Grudem diz em seu livro: “Podemos definir o Espírito Santo como segue: A tarefa do Espírito Santo é a manifestação da presença ativa de Deus no mundo, especialmente na igreja. Esta definição indica que o Espírito Santo é o membro da Trindade que as Escrituras representam mais frequentemente como estar presente para fazer a obra de Deus no mundo.”

A Bíblia deixa claro que o Espírito é uma pessoa da Trindade pelo fato d’Ele ter as mesmas qualidades que são atribuídas a uma pessoa, ou seja, Ele tem pensamento, sentimento, vontade, consciência e direção própria. Mas além de ser uma pessoa, Ele também tem as qualidades de Deus como Onipresença, Onisciência, Onipotência e Eternidade. Por isso, vemos na Palavra do Senhor várias atuações do Espírito Santo falando, clamando, testificando, ensinando, intercedendo e guiando os seus filhos.

Conhecendo melhor o Espírito Santo, vamos ver como Ele atua. Para isso, precisamos compreender que Jesus Cristo, pelo Seu sacrifício, conquistou a redenção de todos aqueles que creem nEle e O aceita, conforme João 1:12. Mas é o Espírito Santo que aplica em nossas vidas o resultado dessa redenção. É Ele que age no coração do homem, abrindo-lhe seu entendimento, operando no seu interior e realizando a transformação de sua natureza. Ele faz tudo isso, pois leva a pessoa ao reconhecimento do seu estado de pecado e perdição eterna.

Esse processo não tem participação humana, pois como vimos no início, por mais que possamos ter grande poder de persuasão, por mais que utilizemos técnicas neurolinguísticas, a conversão da pessoa só acontece por meio do Espírito Santo. E isso fica claro que Ele convence quem Ele quer, e não quem nós queremos. Nossa função é não nos cansarmos de pregar o evangelho a toda criatura, e a função do Espírito Santo é convencer quem for d’Ele, conforme está escrito “Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, eu os escolhi e os designei para que vão e deem fruto...” (João 15:16 NAA)

 

O ESPÍRITO SANTO REGENERA

A regeneração é apresentada na Bíblia principalmente pelas expressões “nascido de novo”, “nascido de Deus” e “nascido do Espírito”. É comum haver dúvida entre regeneração e justificação, para esclarecer essas sutis diferenças, o dicionário bíblico Unger diz que:

“Regeneração refere-se à mudança espiritual realizada pelo Espírito Santo no ser humano por meio da qual este recebe a vida nova. É distinta da justificação, uma vez que esta última indica mudança em nosso relacionamento com Deus, ao passo que a regeneração consiste em uma mudança em nossa natureza moral e espiritual. A justificação é necessária em razão da culpa; a regeneração, em razão da depravação. Embora as duas coincidam no mesmo ponto do tempo e sejam igualmente instantâneas, e, portanto, abrangidas pelo termo genérico conversão, continuam distintas, pois a justificação consiste na remoção da culpa pelo perdão divino, enquanto a regeneração consiste na mudança do estado de depravação, ou morte espiritual, para o de vida espiritual. A regeneração também é diferente da santificação, pois esta última se refere à obra por meio da qual Deus desenvolve a nova vida e a conduz à perfeição, enquanto a regeneração se refere ao início dessa nova vida”

As escrituras atribuem à obra da regeneração especificamente ao Espírito Santo conforme Tito 3:5 “...Ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo...”. E não tem participação humana como está escrito “ os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” (João 1:13). Esse texto deixa claro que não nos tornamos filhos de Deus por dinastia, ou seja, se meu pai é cristão, então eu também sou. Nem pelos nossos próprios esforços, quer seja físico ou intelectual, tudo que o homem quiser fazer pela sua vontade será inútil, pois isso é algo de Deus, através do Espírito Santo. “Porque vocês foram regenerados não de semente corruptível, mas de semente incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente.” ( 1Pe1:23)

Tudo isso faz sentido, pois o homem por si só não é bom, por si só não faz as coisas que agradam ao Senhor Deus por causa da sua natureza carnal e pecaminosa. Para que haja essa transformação, é necessária uma intervenção divina para que a pessoa mude sua forma de viver. “ Eu lhes darei um coração novo e porei dentro de vocês um espírito novo. Tirarei de vocês o coração de pedra e lhes darei um coração de carne. Porei dentro de vocês o meu Espírito e farei com que andem nos meus estatutos, guardem e observem os meus juízos.” (Ezequiel 36:26-27). Só com um espírito regenerado o homem é capaz de viver assim.

Aplicando no dia a dia, você vai saber se uma pessoa foi regenerada pelo Espírito pela obediência que essa tiver em relação às coisas de Deus, pelo amor em querer servi-lO e fazer o que Ele espera. Uma pessoa com esse coração e com esse comportamento certamente foi regenerada por Deus. Isso não significa que a pessoa não vai pecar mais. Mas sim que, quando pecar, isso irá entristecer o coração dela, por ter noção de ter entristecido o coração do Pai, e logo irá se arrepender e se esforçar para não fazer isso novamente.

 

O ESPÍRITO SANTO HABITA

Já ouvi pessoas perguntarem, “Como pode o Espírito Santo habitar em nós sendo que somos pecadores? ”. Estudando o Antigo Testamento, vemos que o Espírito Santo não era disponível a todos. Vemos que, na vida de Sansão, no final de sua vida em Juízes 16 após o verso 28, ele roga a Deus que lhe desse forças só mais uma vez, e a Bíblia narra que o Espírito do Senhor veio sobre ele e assim ele teve forças para derrotar todos aqueles filisteus. Mas nesse mesmo capítulo no verso 20 diz que após cortarem seu cabelo, o Espírito do Senhor havia sido retirado dele. Dentre outros casos, pode ser destacado a história de Saul quando foi ungido rei de Israel em 1 Samuel 10:10 que relata que o Espírito de Deus se apossou de Saul e este profetizou entre os profetas. No entanto, vemos que no final de seu reinado o Espírito de Deus já não estava mais com ele. Finalmente, Davi clama em Salmos 51:11 “Não me lances fora da tua presença, nem me retires o teu Santo Espírito”

Mas, no Novo Testamento percebemos uma mudança nesse aspecto. O próprio Jesus diz em João 14:16-17 “E eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro Consolador, a fim de que esteja com vocês para sempre: é o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece. Vocês o conhecem, porque ele habita com vocês e estará em vocês.” Aqui o texto é claro em dizer que o Espírito Santo habita naqueles que são d’Ele.

No dia de Pentecostes, o Espírito Santo veio habitar nos crentes de forma individual e coletiva em sua Igreja. No entanto, para que isso fosse possível, Jesus teve que morrer na cruz por nós e ressuscitar para nos resgatar do pecado. Desse dia em diante, podemos ter o Espirito Santo para sempre em nós, e isso é garantido pelo próprio Jesus como lido em João logo acima. O Espírito habita num corpo que peca, mas pelo sangue de Jesus, temos nossos pecados perdoados conforme 1 João 1:9. Assim, podemos ser Templo do Espírito Santo como o apóstolo Paulo diz em 1 Coríntios 3:16 “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?”

No entanto, existe uma guerra interna “Porque a carne luta contra o Espírito, e o Espírito luta contra a carne, porque são opostos entre si, para que vocês não façam o que querem.” Qual nosso papel nessa luta? Nossa função é alimentarmos cada vez mais o nosso espírito para que ele seja sempre evidente em nossa vida. E quanto mais alimentamos o espírito, ou seja, quando lemos e meditamos na Bíblia, oramos, louvamos e adoramos o Senhor, mais forte espiritualmente seremos e mais a carne será derrotada. Mas isso não é algo pontual, mas sim constante e diário, pois Jesus disse “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mateus 26:41)

Que possamos, em nosso dia a dia, estarmos certos de que o Espírito do Senhor habita em nós, saiba que não estamos sozinhos, Ele está conosco, nos guiando ao caminho do Pai, instruindo-nos e nos alertando sempre que fazemos algo de errado. Que possamos estar sempre sensíveis à voz do Espírito Santo para não errarmos. Porém, quando pecarmos, que sejamos humildes em reconhecer nosso erro e assim nos arrependermos, para que não venhamos ter nossas mentes cauterizadas, ou seja, que venhamos a ser insensíveis à voz do Espírito em nossas vidas, e finalmente praticar iniquidade.

 

O ESPÍRITO SANTO BATIZA

Na profecia de Jesus sobre o Pentecostes em Atos dos Apóstolos 1:8 deixa claro que eles receberiam poder para pregar o evangelho a toda criatura. Esse poder não era deles, nem emanava deles, mas sim viria através do recebimento do Espírito Santo. Ele é quem daria esse poder a eles. Já em Atos dos Apóstolos 2 relata o cumprimento das palavras de Jesus, vejamos o que John Stott diz a respeito desse episódio:

“O que aconteceu no dia de Pentecostes foi que Jesus “derramou” o Espírito do céu e, assim, “batizou” com o Espírito, primeiro os 120 e depois os três mil. A conseqüência deste batismo do Espírito foi que eles “todos ficaram cheios do Espírito Santo” (Atos dos Apóstolos 2:4). Portanto, a plenitude do Espírito foi a conseqüência do batismo do Espírito. O batismo é o que Jesus fez (ao derramar Seu Espírito do céu); a plenitude foi o que eles receberam. O batismo foi uma experiência inicial única; já a plenitude Deus queria que fosse contínua, um resultado permanente.
Como acontecimento inicial, o batismo não pode ser repetido nem pode ser perdido, mas o ato de ser enchido pode ser repetido e, no mínimo, precisa ser conservado. Quando a plenitude não é conservada, ela se perde. Se foi perdida, pode ser recuperada.”

Uma vez recebido o Espírito Santo, eles deveriam conservar essa situação como orientado pelo Apóstolo Paulo em Efésios 5:18 “E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito”. Vemos que na Bíblia esse batismo, ou ser cheio do Espírito, tinha alguns efeitos na vida da pessoa:

- Coragem – pois aqueles cristãos perderam a timidez, uma vez que estavam completamente focados em Deus e não nas opiniões da sociedade. “Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com ousadia, anunciavam a palavra de Deus.” (Atos dos Apóstolos 4:31)

- Capacitação – o Espírito Santo capacita o cristão para ajudar no seu crescimento espiritual, na evangelização e no crescimento da igreja. Essa capacitação vem através dos dons espirituais – (1 Coríntios 12)

- Revelação – essa experiência nos ajuda a encontrar uma resposta para nossas tomadas de decisão, ou uma indicação do que deve ser feito. “Deus, porém, revelou isso a nós por meio do Espírito. Porque o Espírito sonda todas as coisas, até mesmo as profundezas de Deus. Pois quem conhece as coisas do ser humano, a não ser o próprio espírito humano, que nele está? Assim, ninguém conhece as coisas de Deus, a não ser o Espírito de Deus. E nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente ” (1 Coríntios 2:10-12).

Que possamos analisar nossa vida no sentido de certificarmos se temos tido coragem no anúncio do evangelho, não se importando com a oposição da sociedade. Que possamos, também, verificar se temos colocado os dons que o Senhor Deus nos deu em prol do Reino d’Ele, ou se temos enterrado nossos talentos como fez o servo mau e infiel em Mateus 25:24-30. Por último, que possamos analisar se temos ouvido a voz do Espírito Santo quando temos que tomar uma decisão, ou se temos decidido as coisas de nossa vida da forma que nos apraz.

 

O ESPÍRITO SANTO SELA

Para falar sobre o Selo do Espírito Santo lembramos do que apóstolo Paulo diz “Nele também vocês, depois que ouviram a palavra da verdade, o evangelho da salvação, tendo nele também crido, receberam o selo do Espírito Santo da promessa.” (Efésios 1:13 ). Aqui vemos que o Espírito Santo é citado como o penhor “que também pôs o seu selo em nós e nos deu o penhor do Espírito em nosso coração.” (2 Coríntios 1:22), ou seja, Ele é a garantia no coração de todos os cristãos de que o Senhor está conosco. O Espírito Santo é o selo de Deus sobre o Seu povo, Ele é a reivindicação de Deus sobre nós como sendo pertencentes a Ele. O selo do Espírito para o cristão é um sinal da nossa herança celestial que Jesus nos prometeu e garantiu morrendo na cruz por nós. É por causa do selo do Espírito que temos a certeza da nossa salvação. E como vemos na Palavra do Senhor, ninguém pode quebrar o selo de Deus.

É como se o Espírito Santo fosse dado ao cristão como uma “primeira parcela” para assegurar-lhe de que a herança completa como filho de Deus será entregue a ele no céu. Esse Espírito nos é dado para confirmar que somos propriedade exclusiva de Deus, “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamar as virtudes daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” (1 Pedro 2:9). Com esse selo Ele produz no coração do cristão os sentimentos, esperanças e desejos espirituais que são evidências de que ele é aceito por Deus, que ele é considerado Seu filho adotivo por meio de Jesus. Além disso confirma que a esperança dele é genuína e que a sua redenção e salvação são certas e concretas, da mesma forma que um selo garante um decreto ou um testamento.

A prova desse selo do Espírito é a transformação do coração do cristão, que passa a produzir o arrependimento e a viver o fruto do Espírito. Isso não vem de nós, é Ele quem faz essa transformação. Passamos a viver na conformidade com os mandamentos e vontade de Deus, é desenvolvida uma paixão pela oração, louvor, adoração e amor pelo Seu povo. Todas essas coisas são evidências de que o Espírito Santo selou a sua vida. No entanto, uma vez selados, precisamos nos encher do Espírito, para que possamos manter essa chama acesa em nós, pois assim diz John Stott:

Deus o aceitou e colocou nele o selo do Espírito, autenticando-o, marcando-o e garantindo-o como Seu. Todos os crentes são “selados”, mas nem todos permanecem “cheios”, porque o selo foi colocado uma vez, no passado, enquanto a plenitude é (ou deveria ser) presente e contínua.
Talvez aqui uma ilustração ajude a mostrar que a plenitude de Espírito não deve ser uma experiência estática, mas progressiva. Comparemos duas pessoas. Uma é um bebê, recém-nascido e pesando três quilos, que começou a respirar há pouco. A outra é um homem feito, com 1,80m de altura e 75 quilos de peso. Ambos são aptos e saudáveis; ambos estão respirando normalmente; pode-se dizer dos dois que estão “cheios de ar. Então, qual é a diferença entre eles? A diferença está na capacidade dos seus pulmões. Ambos estão “cheios”, porém uns estão mais cheios que os outros porque sua capacidade é muito maior.
O mesmo vale para vida e crescimento espirituais. Quem pode negar que um bebê recém-nascido em Cristo está cheio do Espírito? O corpo de qualquer crente é o templo do Espírito Santo (1 Cor. 6:19); podemos dizer que o Espírito, ao entrar em seu templo, não o preenche? Um cristão maduro e piedoso, perseverando há muitos anos, também está cheio do Espírito. A diferença entre os dois está no que pode ser chamado de seus pulmões espirituais, ou seja, a medida da sua compreensão com fé do propósito que Deus tem para eles. 

Que possamos verificar se temos mantido essa chama acesa em nossos corações, essa chama de sempre querer fazer a vontade de Nosso Pai e termos comunhão com Ele em todos os momentos de nossa vida.

 

CONCLUSÃO

É comum exaltarmos o Senhor Deus e Jesus pelas coisas que lemos na Bíblia, suas obras milagrosas e o amor que Ele demonstrou pelo seu Povo e ainda demonstra em nossas vidas. Mas não podemos nos esquecer do Seu Espírito que habita em nós, que nos liga novamente ao Pai, que intercede por nós e que nos orienta em todas as nossas tomadas de decisão. Depois de estudarmos essa lição, lembremos sempre do que Paulo diz “E não entristeçam o Espírito de Deus, no qual vocês foram selados para o dia da redenção.” (Efésios 4:30). Para não fazermos isso, que nossa oração seja pedir ao Senhor Deus para que sejamos cada vez mais sensíveis à voz do Espírito Santo, dessa forma, viveremos uma vida santa, reta e que agrada o coração do nosso Pai. E, finalmente, vivendo assim, faremos valer a pena o sacrifício maravilhoso de Jesus na cruz por nós e o recebimento de Seu Espírito em nossas vidas.

 

 

QUESTÕES PARA DISCUSSÃO EM CLASSE

  1. Se é o Espírito Santo que convence a pessoa que precisa ser salva, qual nossa parte nesse processo de evangelização?

R.

  1. Comente como funciona o processo de regeneração que o Espírito Santo faz em você.

R.__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

  1. Como pode o Espírito Santo habitar em nós sendo ainda pecadores?

R.

  1. Uma vez batizado pelo Espírito Santo, você já sabe qual o dom que Ele lhe deu? Se sim, já tem colocado em prática? Se não, o que o impede de fazer?

R.

  1. Quais as evidências em sua vida particular que faz você entender que você foi selado pelo Espírito? Você tem mantido essa chama acessa?

R.

 

 

1 GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. Miami. Vida Nova, 2009, p. 1010.

2 MERRIL F. Unger. Dicionário Bíblico. Barueri, SP. Sociedade Bíblica do Brasil, 2017 p.1054.

3 STOTT. John R. W. Batismo e Plenitude do Espírito Santo. São Paulo, SP. Vida Nova, 1988 pg.41

4 STOTT. John R. W. 1988 pg.55

Artigos Relacionados

A morte de Jesus, terça-feira
Você é fi lho de Deus? ?  Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no...
A morte de Jesus, segunda-feira
  Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. .   Nós sabemos que passamos da morte para a...
A morte de Jesus, domingo
  Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. .   Porque assim...
A impecabilidade de Jesus Cristo
  E logo o Espírito o impeliu para o deserto. .   E logo o Espírito o impeliu para o deserto.     Marcos 1:12 ...