Banner da lição da escola bíblica vigentePara se se ter uma vida espiritual saudável, a busca diária através da oração e da leitura bíblica não é algo opcional. Se quisermos permanecer de pé espiritualmente, mesmo sendo bombardeados todos os dias pelo inferno e todos os tipos de tentações, é imprescindível buscar na fonte eterna, que é Cristo Jesus, forças para cada dia de batalha. Cada cidadão do Reino de Jesus deve tomar sua carne, suas vontades e lançar-se de vez, sem olhar as circunstâncias adversas.

Receba os Devocionais

  Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.    

1 Coríntios 10:23 

INTRODUÇÃO

    Hoje nós vamos estudar um campo muito importante da vida cristã. Seremos levados a pensar como nós temos nos comprometido eticamente e moralmente com Deus, com a Igreja, com a sociedade, família etc. A ética e a moral são o resultado da aplicação ou vivência da Palavra de Deus e com isso afeta a nossa vida e a vida dos que estão ao nosso redor. Como bem disse o apóstolo Tiago em sua carta: “E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos”. Por isso, ética e moral tem a ver com a prática da Palavra de Deus. Ainda podemos afirmar que a ética e a moral modelam o nosso caráter e assim definem a nossa reputação e não o contrário. Infelizmente, hoje, o Evangelho, e por que não dizer também os “evangélicos”, têm caído em descrédito diante da sociedade pela falta de comprometimento ético/moral de muitos cristãos. Por isso é importante que a Igreja dê atenção a esse tema para que possamos ser e realmente fazer a diferença no mundo mal em que vivemos.

 

ÉTICA E MORAL

   Antes de tudo vamos tratar um pouco sobre as palavras-chave do nosso tema: “Ética” e “Moral”. São duas palavras muito conhecidas, muito faladas, mas como vimos na introdução, nem sempre vivenciadas. Muitas vezes relacionamos estas duas palavras como sinônimos, ou seja, que têm o mesmo sentido. Todavia, embora estejam muito interligas e de fato pareçam ser uma mesma coisa, ética e moral são distintas em sua aplicação, embora sempre devam caminhar juntas para se obter um bom resultado. Veremos a seguir algumas definições detalhadas de cada palavra e na sequência a aplicação de alguns exemplos em textos bíblicos para uma melhor compreensão.

   ÉTICA: A ética enquanto ciência pode ser entendida como a parte da filosofia que investiga os fundamentos da moral adotados por uma cultura. Foram os filósofos gregos que começaram a estudar esses fundamentos para então “identificar” uma pessoa como sendo boa ou má e também um ato como sendo bom ou mau. A partir desses fundamentos, alguém pode ser classificado como “ético” ou “antiético”. A ética norteia o caráter das pessoas e como elas irão se portar no meio social. Ela é responsável por definir certas condutas do nosso dia a dia.

   MORAL: Moral é o conjunto de regras que orientam o comportamento do indivíduo dentro de uma sociedade. Ela pode ser adquirida através da cultura, da educação, da tradição, da religião e do cotidiano. No caso de nós cristãos, é adquirida pela Palavra de Deus. Vamos ver alguns exemplos bíblicos onde a Ética e a Moral se fazem bem presentes e assim compreenderemos melhor a questão:

Exemplo 01: João 8:1-11

   Este é um texto muito conhecido que esclarece muito bem a diferença entre a Moral e a Ética e como Jesus lidou com isso. Moralmente a mulher cometeu um pecado digno de morte: “disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério. E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes?” (vs.4 e 5). A morte dos envolvidos em adultério estava prescrita na lei (Levíticos 20:10; Deuteronômio 22:22). Moralmente a mulher merecia a morte, mas de uma forma ética Jesus resolveu a questão: “Jesus disse: Aquele que estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire a pedra...mas ouvindo esta resposta e acusados pela própria consciência foram se retirando um por um” (vs 7 e 9 grifo nosso). Mais do que julgar a atitude e tomar partido pelo que era certo ou errado fazer moralmente, Jesus de uma forma ética julgou se era bom ou mal apedrejar aquela mulher.

Exemplo 02: Romanos 14 1.

   O apóstolo Paulo discorre sobre um tema que era problema naquele tempo e para muitos ainda é: a comida. Neste capítulo vemos claramente o apóstolo fazendo uso da moral e da ética.: “Eu sei e estou persuadido no Senhor Jesus, de que nenhuma coisa é de si mesma impura, salvo para aquele que assim a considera, para este é impura” (v.14). Ele deixa claro que moralmente nenhuma comida era impura, mas que deveríamos respeitar aqueles que para si mesmos consideravam algum alimento impuro. Ou seja, eticamente é inconveniente fazer o nosso irmão tropeçar por causa da comida (v.15).

   Feitas estas considerações que diferenciam, mas ao mesmo tempo ligam a ética e a moral, podemos seguir nosso estudo.

 

A QUESTÃO DO PECADO

   Como vimos anteriormente, a moral está ligada a um conjunto de regras, costumes, normas de um povo, uma cultura, um lugar etc. Todavia nós vivemos em um mundo marcado pelo relativismo, onde o certo e o errado nunca foram tão banalizados. Para a maioria das pessoas, os valores morais e sociais ficam a critério de cada um. Parece até os tempos dos juízes vivido por Israel após a morte de Josué: “Naqueles dias não havia rei em Israel. Porém cada uma fazia o que parecia reto aos seus olhos” (Juízes 17:6 e 21:25).

   Para o cristão, a definição de certo ou errado está ligado com o que é ou não é pecado. Mas como ocorre no mundo, infelizmente o descompromisso de muitos com a santidade faz com que o pecado seja relativizado, ou seja, os valores morais e éticos estabelecidos pela Palavra são colocados em dúvida e o que é certo ou errado passa a ser questionado.

   Mas de fato o que é pecado? A verdade é que o pecado, como definido nas traduções originais da Bíblia, significa “não atingir a marca” ou “errar o alvo”. A marca ou alvo, neste caso, é o padrão moral de conduta que Deus estabeleceu para os seus filhos. Aliás, tais padrões são altos como vemos Jesus alertando seus discípulos: “Pois eu lhes digo que se a justiça de vocês não for muito superior à dos fariseus e mestres da lei, de modo nenhum entrarão no Reino dos céus” (Mateus 5:20). Foi Deus quem estabeleceu estes padrões e quando os relativizamos estamos indo contra aquilo que Deus estabeleceu.

   Deus não muda e Seus preceitos também não. Mesmo que vivamos em contextos e épocas diferentes os padrões morais estabelecidos pelo Criador devem nortear nossas decisões e direcionar nossas ações a fi m de que nossa conduta possa testemunhar da perfeição do nosso Pai. Em todos os tempos, em todas as épocas e em todos os contextos o padrão da moralidade dos fi lhos de Deus se baseia na ordem do Senhor: “Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pedro 1:16).

 

LUTANDO CONTRA A CARNE

   A dificuldade de sermos comprometidos moralmente e eticamente com os preceitos divinos está relacionada com a constante luta que vivemos entre a carne e o espírito. Por causa do pecado que herdamos pela queda da humanidade no Jardim do Éden, o homem é tendencioso a viver de uma forma imoral. Paulo, falando a respeito disso discorre: “Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo” (Romanos 7:19). E ainda escrevendo aos Gálatas o apóstolo afirma que “a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si” (Gálatas 5:17). A questão é: quem vencerá a luta? É simples a resposta: aquele que mais for alimentado. Por isso o apóstolo diz: “Andai no Espírito e jamais satisfarei à concupiscência da carne” (v.16).

   A nossa carne, ou seja, o homem carnal, foi corrompida moralmente pelo pecado e quando vivemos na carne praticamos as obras decorrentes desta natureza, como exemplificou Paulo: “Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes” (Gálatas 5:19-21). 1. Ser um cristão comprometido moralmente é mais do que apenas conhecer os padrões morais estabelecidos pela Palavra, é viver de forma que sejamos um código de ética lido por todos ao nosso redor. Vai além das palavras, mas exemplifica-se pelo exemplo e não pelo mero discurso. Porém, demanda esforço, pois a nossa carne sempre penderá para o imoral.

 

A MORAL CRISTÃ

   Em cada contexto que vivemos, de uma forma perceptiva ou não, direta ou indireta, nossas ações são moldadas pelos padrões morais e éticos do meio que estamos inseridos. Por exemplo: no local que trabalhamos nossa conduta é regida por normas estabelecidas pela empresa juntamente com as leis trabalhistas. Em nossa família não é diferente, cada uma carrega padrões de conduta que muitas vezes são peculiares. Por exemplo: muitos pais só autorizam o namoro dos filhos após os 18 anos de idade, o que não ocorre em outras famílias. Por incrível que pareça, até mesmo na criminalidade existem padrões “éticos/morais” entre os envolvidos em uma determinada facção. No que se trata da ética/moral cristã, não importa o contexto em que o filho de Deus esteja inserido, ela sempre norteará as ações do mesmo, e a despeito de tudo que ocorre ao seu redor, o crente sempre reagirá de acordo com os padrões que a Palavra de Deus estabelece. Ou seja, não reagimos baseados no que “eu penso” ou “eu acho”, mas sim no que Deus estabeleceu em Sua Palavra. Aliás, em nossos dias, os cristãos têm criado uma forma de se comportar baseado em “achismos”.

   O apóstolo Paulo, de certo modo, ensina a prática da ética, sob esses aspectos: o que quero, devo e posso. Ele afirma que tudo é lícito, mas que nem tudo convêm e nem tudo edifica, portanto, o cristão não pode e nem deve se deixar dominar por aquilo que foge da ética e moral cristã (1 Coríntios 6:12). Assim, podemos dizer que a ética e moral cristã nos mostra que nem tudo o que queremos, podemos fazer. Mas ao mesmo tempo nos aponta que diante de algumas situações devemos reagir da maneira correta. Talvez nós cristãos não tenhamos falhado tanto na questão do “poder fazer”, mas sim no que “deveríamos fazer” e assim nos omitimos diante de muitas questões que são postas diante de nós, oportunidades em que poderíamos fazer a diferença e assim, infelizmente, deixamos de ser luz do mundo e sal da terra.

   Anteriormente vimos que em cada contexto (família, sociedade, trabalho) existe um código de ética e moral que rege cada ambiente, todavia estes padrões estão em constante mudança e muitas vezes são resultado do contexto imediato. No que diz respeito a moral cristã é diferente. O fundamento moral da ética cristã são as Escrituras Sagradas. Portanto, a ética cristã não se modifica e nem se relativiza. Desse modo, a ética cristã não pode ser desassociada da moral e dos bons costumes recomendados nas doutrinas bíblicas.

   Em outras palavras, Deus deseja que se faça o que é certo em concordância com Seus próprios atributos morais. “Sede santos, porque eu sou santo”, foi o mandamento de Deus para Israel (Levíticos 11:45). Jesus disse aos Seus discípulos: “Sede, pois, perfeitos, assim como perfeito é o vosso Pai celestial” (Mateus 5:48). O escritor aos Hebreus afirmou: “É impossível que Deus minta” (Hebreus 6:18), assim, nós também não devemos mentir. “Deus é amor” (1 João 4:16), e Jesus disse, “amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39). Em suma, a ética e a moral cristã baseiam-se na vontade de Deus, e Deus nunca deseja algo que seja contrário ao Seu caráter moral imutável. Assim o padrão ético e moral do cristão não é apenas o que Deus disse, mas o que Deus é.

 

 APLICAÇÃO

   - Deus, através dos mandamentos, preceitos e conselhos que encontramos na Sua Palavra, deseja que vivamos de uma forma digna diante d’Ele e diante do nosso próximo. Afinal, como disse o apóstolo Paulo, somos embaixadores do Senhor aqui neste mundo (2 Coríntios 5:20). Por isso, cada conduta que temos diante das situações que surgem ao nosso redor serão o reflexo do código ético moral que rege nossa vida. Por isso a palavra nos aconselha: “Portanto, sede imitadores de Deus, como filhos amados” (Efésios 5:1).

 • O cristão comprometido moralmente com a Palavra de Deus não se deixa influenciar pelos valores mundanos e nem se “adapta” aos padrões morais impostos pelo sistema mundano, como diz a Escritura: “E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente” (Romanos 12:2).

• Diante de cada situação que se apresenta em nossa vida precisamos nos questionar da seguinte maneira: o que o é meu querer? O que posso fazer? E o que devo fazer? As respostas para estes questionamentos serão o resultado do código de moral e de ética que regem nossa vida. Se a Palavra de Deus é o nosso código, todas as nossas decisões farão de nós pessoas comprometidas em agradar ao Senhor e como resultado seremos luz do mundo e sal da terra.

• A ética e a moral cristã moldam nosso caráter. Não conhecer sobre elas, mas viver de acordo com elas. A ética cristã não é um código de conduta para vivermos dentro da igreja, ela é um estilo de vida que deve nos acompanhar em cada decisão e ação que tomamos. A moral cristã não rege apenas um comportamento religioso do cristão, mas determina o comportamento do fi lho de Deus em todas as áreas de sua vida.

 

CONCLUSÃO

   Numa sociedade pluralista, como a em que nós vivemos, é fundamental a existência de valores éticos definidos que norteiem a conduta dos cristãos, de modo que venham a oferecer um modelo de vida alternativo à sua sociedade. Temos a oportunidade de, através das nossas ações e das nossas escolhas, mostrar ao mundo a diferença que os ensinos, mandamentos e preceitos das Sagradas Escrituras podem fazer na vida do homem, sempre o guiando para o bem. É dever de todo cristão, em primeiro lugar, conhecer os padrões de conduta que Deus estabeleceu para Seus filhos. Em segundo lugar, deixemo-nos ser guiados por estes padrões a fim de testemunhar a bênção que é caminhar de acordo com a vontade de Deus e sermos para o mundo como o bom perfume de Cristo (2 Coríntios 2:15). 

 

QUESTÕES PARA DISCUSSÃO EM CLASSE

1. Qual a diferença entre Ética e Moral segundo o que aprendemos no estudo de hoje? Cite algum exemplo bíblico que trata esta questão.

R._______________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

2. Em que situações do nosso dia a dia os códigos de ética e moral regem nossa vida? O que isso signifi ca para você?

R._______________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

3. Por que é tão difícil para o ser humano caminhar com uma conduta ética e moral segundo o que Deus estipula na Sua Palavra?

R._______________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

4. O apóstolo Paulo, de certo modo, ensina a prática da ética, sob três aspectos: o que quero, devo e posso. Como podemos aplicar isso em nossa vida? R._______________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

5. Discuta em classe questões associadas à ética e à moral que se apresentam na atualidade e como o cristão deve se posicionar diante disso. Exemplos: aborto, eutanásia, meio ambiente, ideologia de gênero, pena de morte, etc.

R._______________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

Artigos Relacionados

A natureza do pecado, quarta-feira
  Pois quê? ?   Pois quê? Somos nós mais excelentes? De maneira nenhuma, pois já dantes demonstramos que, tanto...
A natureza do pecado
  Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos...
A natureza do pecado, segunda-feira
  Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará...
A natureza do pecado, domingo
  E VOS vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o prí...