Texto de Estudo

OH! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.

Salmos 133:1 

           O Salmos 133 é o segundo menor do Saltério; perde apenas para o Salmos 117 Em contraste com a timidez do texto está a profunda mensagem que transmite. Ele é o penúltimo dos “Cânticos de Romagem”, ou “Cântico de Degraus”, conforme algumas traduções. É um dos mais típicos, lidos em aberturas de cultos ou reuniões cristãs, e não poderia ser diferente, pois o seu tema central é a união fraternal e os resultados de tal união.

            A poesia do Salmo é conferida ao rei Davi, e a maioria dos autores concorda sobre isso. Entretanto, não há um consenso se “irmãos” (v.1) refere-se diretamente a parentes próximos (irmãos de sangue), membros de uma comunidade (no caso, Israel) ou a todo o ajuntamento de devotos a Jeová (nesse caso, os estrangeiros estão inclusos). O estudo de hoje não se preocupa em elucidar tal questão; a intensão é transpor a mensagem central à comunidade cristã, na qual todos os remidos em Cristo tornam-se irmãos na fé.                       

É BOM E AGRADÁVEL

            O Salmo começa com uma exclamação sapiencial: “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos”. Para esta parte do texto precisamos fazer uma relação: “bom e agradável” com “unidos”, e também “irmãos”.  A Nova Versão Internacional da Bíblia (NVI) expressa melhor o seu sentido: “Como é bom e agradável quando os irmãos convivem em união!”. Assim, o sentido de “união” vai além do “estar junto”, ou “permanecer junto” - “viverem unidos”. Transmite a ideia de compartilhamento: “convivem em união”.

            Para que isso ocorra, a unidade e a comunhão dependem da maior virtude espiritual de todas: o amor. Sem tal virtude, é impossível que a convivência de “irmãos” seja “boa e agradável”. Logo, a verdadeira união, aquela que é boa e agradável, provém do Senhor, pois “Deus é amor” (1João 4:7-8). A unidade vinda de Deus é boa e agradável à Igreja, porque extingue as divisões (Efésios 2:14); faz com que a comunidade aja em senso comum (Efésios 4:3-6) e busque o mesmo objetivo. A união na Igreja testifica ao mundo a obra de Jesus Cristo, pois Ele mesmo disse:

Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra, a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim, e eu em ti, também sejam eles em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste  (João 17:20-21)

            Um dos textos que melhor exemplifica a união e a comunhão na Igreja é o de Atos dos Apóstolos 4:32-35, em especial o verso 32: “Da multidão dos que creram era o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nenhuma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum”. Uma das características mais impressionantes da vida entre os primeiros cristãos era sua unidade. Essa união se expressa aqui nos termos era um o coração e a alma, expressão que embora escrita em grego no Novo Testamento, tem sua raiz em uma expressão hebraica típica que significa acordo total (cf 1 Crônicas 12:38).

É COMO ÓLEO PRECIOSO

            Para exemplificar o quanto “é bom e agradável a união entre os irmãos”, o salmista pinta duas cenas que expressam a excelência da união fraternal. Em primeiro lugar, Davi diz que a união entre irmãos “é como o óleo precioso”. Essa símile equipara a unidade do povo de Deus à mistura especial e exclusiva de óleo usada para ungir e consagrar móveis e utensílios do tabernáculo, como também Arão e seus filhos. Vejamos como tal óleo era preparado:

Disse mais o Senhor a Moisés: Tu, pois, toma das mais excelentes especiarias: e mirra fluida quinhentos ciclos, de cinamomo odoroso a metade, a saber, duzentos e cinquenta ciclos, e de cálamo aromático duzentos e cinquenta ciclos, e de acácia quinhentos ciclos, segundo o ciclo do santuário, e de azeite de oliveira um him. Disto farás o óleo sagrado para a unção, o perfume composto segundo a arte do perfumista; este será o óleo sagrado da unção... Assim consagrarás estas coisas, para que sejam santíssimas (Êx 30:22-25 e 29)

O óleo precioso era tão especial em sua composição e utilização que qualquer homem que se atrevesse a compor algo semelhante deveria ser eliminado do povo (Êx 30:33). Perceba a comparação de Davi e note o quão importante é união entre os irmãos. Vejamos alguns pontos importantes sobre a união, com base no que vimos neste tópico.

            A união é como a fragrância de um bom perfume. Uma das características do óleo precioso, conforme vimos no texto de Êxodo, é a boa fragrância que exalava. Não podia ser diferente, levando em conta sua composição. O efeito da União na Igreja é tão notório e tão agradável como o odor de um bom perfume, pois a essência da mesma é o amor que vem de Deus.

            A união santifica. A função primordial do óleo precioso era a consagração; tudo que fosse ungido com ele seria santo. Assim, a união na Igreja opera na mesma a santificação. Como isso ocorre? Quanto mais os cristãos buscam viver a união, mais se separam do mundo. O autor de Hebreus faz uma forte ligação entre união e santidade, ao afirmar: “Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14)

            A sequência do Salmo mostra que o óleo é derramado sobre a cabeça de Arão, desce para sua barba e escoa sobre as vestes. Dois pontos são importantes nessa parte do texto. Primeiramente, temos a honrosa barba, altamente respeitada pela mente dos hebreus. Uma boa barba era sinal de distinção e sabedoria. Assim, a unidade fraternal é firmada em um relacionamento de honra, respeito e sabedoria.

Em segundo lugar, o óleo derramado pela barba descia sobre os ombros de Arão e, então, sobre suas vestes, inscritas com os nomes das 12 tribos de Israel. Assim sendo, o óleo simbolizava a unidade nacional, sob as bênçãos do único Deus.             

É COMO O ORVALHO SOBRE A TERRA

            A segunda símile do salmista está relacionada à ação do orvalho que cai sobre a terra. Ele diz que a união “é como o orvalho do Hermom quando desce sobre os montes de Sião”.

            Hermom refere-se a uma montanha, localizada na fronteira norte de Israel, com quase 3.000 metros de altitude. O seu pico ficava carregado de neve. Os montes de Sião eram menores e recebiam do Hermom, carregado por sua humidade, uma pesada orvalhada.

            O orvalho traz vida à vegetação. Pode até não chover, mas se a terra for regada, todas as manhãs, pelo orvalho, o verde cresce normalmente. As suas gotículas vão se juntando nas folhas do capim, formando gotas maiores, irrigando a terra e nutrindo a vida da natureza. Sem água, o solo fica crestado e estéril. Mas, com água, surge a fertilidade e a prosperidade, e estes são produtos da fraternidade, sob a direção e a bênção de Deus. O orvalho representa o refrescante, doador da vida, um símbolo apropriado à bênção do Senhor. Mas, cabe ressaltar que é conferida por meio de instrumentos humanos que vivem no espírito do amor. Por isso, a união entre os irmãos é tão importante quanto, assim como o “Orvalho do Hermom”. Uma igreja sem união é propensa a morrer. Salomão disse:

...é melhor serem dois do que um, porque, se caírem, um levanta o seu companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. Também, se dois dormirem juntos, aquentar-se-ão; mas um só, como se aquentará? (Ec.4:9-11).           

CONCLUSÃO

            “Ali, ordena o Senhor, a sua bênção e a vida para sempre”. A conclusão do Salmo aponta o resultado da união entre o povo de Deus: as bênçãos de Deus são derramadas. “Ali” refere-se ao lugar da habitação divina. E onde Deus habita? A resposta está nas palavras de Jesus: Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles”. (Mateus 18:20) Ou seja, a Igreja unida atrai a presença de Deus.

            Ali indica o Templo. Ali, para a comunidade de irmãos unidos, o Senhor envia sua bênção - bênção que é vida; vida que é duradoura. A vida é cheirosa (a morte é pútrida e malcheirosa); a vida é úmida e fecunda (a morte, árida e estéril). O amor fraterno é uma bênção que atrai bênçãos de vida plena que se prolonga; é aroma que se difunde... É orvalho que impregna.

Artigos Relacionados

Compaixão Divina - Consolo no Salmo 6 Compaixão Divina - Consolo no Salmo 6
Nossas meditações estão focadas no livro dos Salmos, que foi o primeiro livro de cânticos do povo de Deus. Nele encontramos consolo para a nossa alma...
O que a mim me concerne - consolo no salmo 138 O que a mim me concerne - consolo no salmo 138
  O Senhor cumprirá o seu propósito para comigo! Teu amor, Senhor, permanece para sempre; não abandones as obras das tuas mãos!     Salmos 138...
12 versículos bíblicos para acalmar sua alma ansiosa 12 versículos bíblicos para acalmar sua alma ansiosa
Preocupação, medo, nervosismo, insegurança, coração acelerado, insônia... esses são alguns sintomas causados pela ansiedade. Todas as pessoas, não...
Consolo aos que choram Consolo aos que choram
Grandes coisas fez o SENHOR por nós, pelas quais estamos alegres. Grandes coisas fez o SENHOR por nós, pelas quais estamos alegres. Salmos...