Entenda a importância de construir uma estratégia para alcançar pessoas e trazê-las para Cristo!

Primeiro, vamos entender brevemente alguns conceitos de marketing digital e de conteúdo:

Marketing digital ou inbound marketing é um conjunto de estratégias que têm como objetivo atrair voluntariamente os consumidores para o seu site. É o contrário do marketing tradicional, e baseia-se no relacionamento com o consumidor em vez de propagandas e interrupções, como as propagandas nos vídeos do youtube, ou até mesmo dentro dos sites.

“No Inbound Marketing, é o cliente que procura pela empresa e não o contrário.”

Resultados Digitais

Com o passar do tempo e a evolução da internet, ficou muito tênue a diferença entre o real e o virtual. A internet já está em quase todo lugar. Por isso todos podem utilizar conceitos de Inbound Marketing como método para comunicar e vender seus produtos, bem como ideias. É possível adaptá-los e empregá-los em qualquer organização, usando conteúdo para entretenimento/utilidades e fazendo reforço de marca.

A metodologia do Inbound Marketing segue uma sequência lógica de etapas. Toda estratégia de sucesso deve passar pelas seguintes fases: Atrair, Converter, Relacionar, Vender e Analisar.

*A fase de Analisar estará presente em todos os momentos, e é essencial, porém vamos tratar dela mais a frente.

Atrair: ao invés de gastar energia em procurar pessoas que poderiam se interessar sobre seu tema, gaste energia na construção de algo digno de legítima atenção e as pessoas, por espontânea vontade se interessarão no assunto. Mas como? Produzindo artigos bem estruturados, com algumas boas práticas para serem bem posicionados nos mecanismos de busca como o Google, por exemplo e utilizando as redes sociais para divulgá-los.

Converter: quando falamos de conversão, estamos nos referindo à ação do visitante de fornecer suas informações em troca de uma recompensa, como acesso ou download de um material rico (ebook, infográfico, vídeo, etc). No inbound marketing, quando isso acontece, o visitante passa a ser chamado de “lead”.

Relacionar: a partir do momento que temos as informações do visitante, podemos entrar em contato e prover conteúdo até que ele esteja no ponto certo de comprar nossa idéia, ou seja aceitar Jesus! Podemos usar email marketing para nutrir essa pessoa com conteúdos para que ela evolua nessa jornada.

Vender: É apenas quando o visitante está pronto para ouvir uma proposta que falamos abertamente dela, comparamos com outras filosofias e mostramos a importância, os motivos de tomar essa decisão.

Até esse momento da decisão, tratamos de temas diversos que primeiro farão com que essa pessoa (que muitas vezes não está sequer questionando seus valores) perceba que tem um problema. Nessa fase de descoberta, ela irá pesquisar por sintomas, e é com conteúdos bem superficiais que faremos com que ela acesse nosso blog.

Ao perceber o problema e iniciar a busca por soluções, iremos apresentar as diversas opções que ela poderá encontrar e escolher, além da que estamos oferecendo. Traremos conteúdos um pouco mais instigantes mas ainda sem tocar no assunto principal.

Essa é uma breve percepção de como direcionar os conteúdos para cada etapa da “jornada de compra” do nosso visitante, fazendo com que ele evolua até o fim desse fluxo.

Jornada de Compra e Funil do Marketing

No marketing de conteúdo, esses tipos diferentes de material fornecido são divididos assim, como um funil:

 Etapas do Funil de Marketing de conteúdo

 É sempre necessário ter mais conteúdos de descoberta - topo, um pouco menos de consideração - meio e menos ainda de decisão - fundo, pois não são todas as pessoas que irão evoluir na leitura dos conteúdos, então é preciso atingir muitas pessoas para que uma porcentagem delas converta em cada etapa do funil.

É importante trabalhar todos eles para manter o ciclo girando, e poder evitar gargalos de ter muitos conteúdos em apenas uma das etapas. Se só tivermos conteúdos de topo, os visitantes irão entrar no blog e sair rapidamente, sem conteúdos para converterem. Se tivermos só conteúdos de meio, haverá pouco tráfego no blog e talvez não haja venda (aceitar Jesus), e assim por diante.

Personas e Mapa de Conteúdo

Além disso tudo, é importante definir público alvo, quem queremos atrair, pois quem não tem foco não atinge ninguém.

Podemos imaginar, por exemplo, o João, que nasceu em lar cristão, tem 20 anos, está na faculdade e está afastado por influência do mundo e tem sofrido muito com ansiedade e pressão na rotina corrida. Ou então a Maria, uma senhora casada, de 40 anos, que é professora e tem enfrentado dilemas no trabalho por conta da sua fé em algo superior mas ainda assim precisa conhecer o Deus verdadeiro.

Você consegue perceber que cada um deles irá precisar de materiais diferentes, assuntos diferentes e inclusive direcionados para cada fase (descoberta, consideração e decisão) pela qual passarem?

Converse com seu time de conteúdo para desenvolverem suas personas e elaborarem um planejamento de conteúdos direcionados a cada uma delas e suas respectivas jornadas. Você pode estruturar um ciclo de produzir 3 conteúdos de topo, 2 de meio e 1 de fundo para cada persona.

SEO

De que adianta construir bons conteúdos, com um público alvo definido se não estivermos bem posicionados nos mecanismos de busca, ou mais precisamente, no Google?

SEO significa Search Engine Otimization, ou Otimização para Mecanismos de Busca. Para ser bem ranqueado ou posicionado, não existe receita de bolo, mas boas práticas a serem seguidas.

Palavras-chave

Imagine quantas coisas encontraremos ao simplesmente digitar a palavra chave “Jesus”. São tantos conteúdos, tanta informação que dificilmente conseguiremos aparecer na primeira página de resultados encontrados. E 80% das pessoas não vai até a segunda página de pesquisa. Mas e se utilizarmos como palavra-chave uma frase mais completa e detalhada, como “cura para ansiedade” esse número de concorrentes já vai reduzir um pouco e poderemos ter mais chances.

Note que você pode usar diversas palavras chave relacionadas ao seu tema em cada conteúdo, porém é importante escolher uma de destaque, foco, para cada um. Ela deverá aparecer nos títulos, subtítulos e ao longo de todo o texto, mas sem exageros, porque o Google irá scannear seu conteúdo e perceber isso, inclusive se está sendo forçado ou não.

Headings ou Cabeçalhos

Os títulos e subtítulos em uma página de internet são definidos por elementos chamados de heading tags, headers ou simplesmente cabeçalhos, eles possuem variações que definem a importância desses títulos e subtítulos. Os subtítulos tem níveis diferentes, ou seja, uma hierarquia. 

Os títulos e subtítulos podem ser otimizados para obter um melhor escaneamento do Google, é possível alcançar melhor ranqueamento simplesmente alterando os cabeçalhos. Os subtítulos em headers são utilizados para: deixar a leitura do texto mais fluída e agradável, encaixar ideias correlacionadas no texto e ajudar na otimização do conteúdo. Assim como o título, os subtítulos devem ser diretamente relacionados com o tema do texto e encaixar as ideias uma dentro da outra. Para isso, utilizamos as tags cabeçalho 2 (H2) e cabeçalho 3 (H3)  e recomenda-se que a palavra-chave do conteúdo esteja presente em pelo menos um dos subtítulos.

H1 é o título principal e, consequentemente, o que ganha mais ênfase na página. O título principal deve resumir a ideia do conteúdo e conter a palavra-chave preferencialmente no seu início. Além disso, vale conferir o número de caracteres do seu cabeçalho 1 (H1) , limitando-se a usar até 69 caracteres.

Os subtítulos também devem ser marcantes, chamando a atenção do leitor e ajudando na escaneabilidade do texto.

Meta description

É a descrição exibida nos resultados de uma busca, logo abaixo do título. É essencial redigir uma descrição clara e atraente e repetir a palavra-chave para enfatizar o tema da pesquisa do leitor e levá-lo a abrir a sua página. É importante estar atento ao limite de caracteres — que, nesse caso, é de aproximadamente 156 — e procurar passar a ideia geral do conteúdo nos primeiros 50.

Imagens

As imagens são importantes para que o texto fique mais interativo e tenha quebras programadas e não fique com tantos parágrafos seguidos, além de despertar o interesse do leitor com imagens de destaque atrativas, prender a atenção dos leitores durante o conteúdo e embasar algum argumento, fato, ponto de vista, opinião ou declaração.

Bancos de imagem gratuitos que sua empresa pode usar: Stock Xchng, Flickr, Dreamstime Free, Freepik, Pixabay.

Call to action

Um call to action (CTA) é uma chamada, com objetivo de instigar o leitor do texto a realizar uma ação após o fim da leitura. O call to action deve estar em blog posts, social posts e ebooks. A chamada pode levar o leitor a conhecer mais sobre o tema, assinar os devocionais diários, comprar um livro, encontrar uma igreja, ou ainda ler outro artigo relacionado.

Um bom CTA pode garantir que o leitor não termine sua interação com o site ao fim de apenas um post/artigo.Exemplo de Call to Action

Hiperlinks

Existem dois tipos de links (ligações para outras páginas) para realizar como boas práticas de SEO: interno e externo. Os links internos são feitos para páginas dentro do seu site. Os externos são links vindo ou indo do seu site: ou alguém tem um link para o seu site ou o seu para o deles.

As duas formas são importantes, mas as ligações que chegam ao seu site são sinal de autoridade no assunto. Recomenda-se ter uma estrutura de links internos prática e organizada para que usuários e motores de busca possam encontrar suas páginas com mais facilidade. Uma boa regra para isso é que cada página esteja no máximo a dois cliques de distância da homepage. Links externos devem levar a conteúdos relevantes para prender a atenção do usuário. Links não naturais ou esquemas forçados para tentar obter melhores posições na busca podem acabar resultando em penalidades dos motores de busca.

Se você observar, há alguns links externos nesse texto, você pode fazer o mesmo, como por exemplo: Quando falar do sábado colocar um link para um artigo do site que fala do sábado ou para o livro "Fiel ao Sábado, Fiel ao nosso Deus" que está a disposição para venda no site.

Frequência de Publicação

Definindo uma estratégia para o público certo no momento certo e seguindo todas essas práticas, quanto mais conteúdos você tiver, melhor. No entanto preze pela qualidade e seja frequente.

Isso significa que o tamanho do conteúdo também importa. Pesquisas mostram que o tamanho ideal nos artigos é de 1890 palavras, portanto conteúdos de 1000 a 1200 palavras alcançam melhor posicionamento que conteúdos de 700 palavras, ou seja, são encontrados mais facilmente e tem mais acessos. Faça uma boa pesquisa sobre o tema, divida em subtítulos ecoloque imagens para melhorar a fluidez.

E se você decidir publicar uma vez por semana, defina um dia. Se publicar toda terça, por exemplo, não fure. Você fideliza seus leitores ao ser fiel a eles, assim eles nem precisarão ver um post no facebook para lembrar de ver seu novo artigo do site, mas já irão lembrar que é na terça que tem conteúdo novo e irão diretamente ao site conferir!

Concluindo

Como o Apóstolo Paulo nos orienta:

Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens, sabendo que receberão do Senhor a recompensa da herança. É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo.

Colossenses 3:23-24

Devemos buscar fazer o nosso melhor em tudo, mas muitas vezes nos dedicamos mais as atividades seculares do que a obra de Deus. Se para sermos bem sucedidos em nossos trabalhos aplicamos métodos comprovadamente eficazes, porque não buscar a mesma qualidade ao realizar o ide?

Pense nisso, busque essas diretrizes para trabalhar nos seus conteúdos e poderemos testemunhar muitas vidas transformadas.

Se você gostou desse conteúdo, se tem alguma dúvida, entre em contato comigo!

Sarah Francheska Cascaes
Batista do Sétimo Dia e
Consultora de Marketing de Conteúdo na Contentools


Skype: sarah.cascaes
Celular: 47 9 9121 4002