Ao levantar hoje pela manhã, 29 de novembro de 2016, e ligar a TV, me defrontei com uma trágica notícia: um voo que levava uma equipe de 22 jogadores de futebol para a Colômbia, onde o time iria disputar o final da Copa Sul-Americana, havia sofrido um acidente. Até o momento em que estou escrevendo, dos 81 passageiros a bordo, 76 faleceram e há 5 sobreviventes: 3 goleiros, um membro da equipe de bordo e um jornalista.

 

O Estado está economicamente fraco, sendo alvo de interesse das nações estrangeiras, desejosas por expandirem mais e mais sua influência. Pesadas cargas tributárias são impostas ao povo. A política interna tem sofrido turbulências das mais diversas. A crise agrava as injustiças sociais, com os ricos cada vez mais explorando aos pobres. A corrupção moral devasta a nação. O culto ao Deus verdadeiro é abandonado, abrindo-se espaço para idolatria e superstições, mas as pessoas continuam mantendo uma falsa segurança de que, com um culto formal e vazio de significado, Deus será obrigado a abençoar o país. Não, não estamos falando do Brasil! Essa era a situação da nação de Judá, no 8º século antes de Cristo. [1]

A Portas Abertas, missão que denuncia a perseguição religiosa a cristãos, divulgou a edição 2015 da Classificação da Perseguição Religiosa. A lista relaciona 50 países segundo o grau de perseguição que os habitantes cristãos enfrentam. Sua atualização é feita considerando-se os acontecimentos e o ambiente religioso do país ao longo do ano anterior.

Faleceu nesta quinta-feira, dia 5 de dezembro, aos 95 anos em Pretória, o líder sul-africano Nelson Mandela, que foi presidente da África do Sul entre 1994 e 1999. Mandela ficou internado de junho a setembro devido a uma infecção pulmonar. Ele deixou o hospital e estava em casa.

Arqueólogos da Universidade de Tel Aviv afirmam ter descoberto as ruinas de fortificações construídas cerca de 2.700 anos atrás, em torno de um antigo porto da Assíria, numa região que hoje pertence a Israel. O achado confirma o relato bíblico sobre o assunto presente no capítulo 20 do Livro de Isaías.

Começa na cabeça de uma pessoa, compartilha com um grupo de amigos, convoca sua cidade pelas redes sociais, outras cidades ficam sabendo e compram a ideia, outros estados ficam cientes e compram a briga por sentirem as mesmas dores. Os jornais impresso, de telejornalismo, e rádio e internet noticiam, e a nação inteira adere o ato. A reivindicação inicial é solucionada, mas o povo tem uma lista enorme de outros motivos para protestar: saúde, educação, moradia, salário, respeito, políticas públicas. Como um rastro de pólvora, tudo o que estava engasgado se explode com pés, mãos, cabeça, vozes na rua. São cartazes, camisas brancas, gritos de protesto.

Quando o governo é justo, o país tem segurança; mas, quando o governo cobra impostos demais, a nação acaba na desgraça”  (Provérbios 29:4 NTLH)

Nas últimas semanas o Brasil tem assistido a constantes manifestações, em quase todo o território nacional, ou pelo menos em suas capitais e cidades de maior influência econômica. O povo brasileiro tem saído às ruas reivindicando seus direitos, mostrando-se insatisfeitos com seus governantes e apresentando suas reivindicações, que vão desde os direitos básicos assegurados por lei, tais como segurança, transporte de qualidade, saúde, educação, até à reivindicação que pede para que os deputados recebam um salário condizente com suas atribuições e nada mais além disso. Também reivindicam uma punição mais severa para aqueles parlamentares se portarem com  falta de moral e ética, administrando de forma desordenada os recursos da nação, fazendo uso indiscriminado dos recursos públicos que são arrecadados através dos tributos.

O manuscrito da Torá mais antigo do mundo pode ter sido encontrado pelo professor de estudos hebraicos Mauro Perani, da Universidade de Bolonha, na Itália