Banner da lição da escola bíblica vigentePara se se ter uma vida espiritual saudável, a busca diária através da oração e da leitura bíblica não é algo opcional. Se quisermos permanecer de pé espiritualmente, mesmo sendo bombardeados todos os dias pelo inferno e todos os tipos de tentações, é imprescindível buscar na fonte eterna, que é Cristo Jesus, forças para cada dia de batalha. Cada cidadão do Reino de Jesus deve tomar sua carne, suas vontades e lançar-se de vez, sem olhar as circunstâncias adversas.

Receba os Devocionais

Estudos Bíblicos

Neste mês de outubro, no dia 31, celebra-se os 500 anos da Reforma Protestante do século XVI. Reformar é formar de novo. No século XVI os Reformadores se viram em uma Igreja que havia se conformado ao mundo (Romanos 12:2), se deformado e distanciado das Escrituras Sagradas, e, então, iniciaram cada um, a partir de onde estava um movimento que visava reformar a Igreja, levando-a de volta aos princípios bíblicos, e à simplicidade dos primeiros séculos. A pesada estrutura de então, apegada aos seus conceitos, não se deixou reformar, e o movimento protestante deu origem às Igrejas Protestantes.

Quando alguém pesquisa sobre os batistas e, mais especificamente, os Batistas do Sétimo Dia, acabam fazendo prolegômenos e mais prolegômenos sobre suas origens e desenvolvimento em solo inglês e especialmente, norte-americano. Isto se dá porque há uma relativa necessidade de conhecer e entender a forma pela qual nós os Batistas que aceitaram a vigência plena dos Dez Mandamentos interpretamos, concebemos e construímos nossa fé e, por consequência nosso modo de ser. O modo de ser Batista do Sétimo Dia está ligado a alguns fatores, entre eles:

cruz-vazia-2Se Jesus tivesse morrido na sexta-feira como dizem a maioria dos evangélicos, ele teria que ressuscitar somente na segunda-feira a tardinha para se completar os três dias e três noites profetizado por ele mesmo em Mateus 12:39-40.

Estudos Bíblicos

Baixe o 1º Capítulo da Revista de Estudos Bíblicos do 3º Trimestre de 2012. Veja +

JES-1003.png

Nós aprendemos desde cedo que a graça é favor imerecido. É algo que está para além das posses de nossas virtudes. Justamente por essa razão a graça é de graça.

No entanto, na nossa ideia do que seja graça, enquadram-se apenas as felizes, fáceis saborosas e carismáticas manifestações das bênçãos de Deus sobre nós (Efésios 1:3). Nunca pensamos em graça como privilégio de sofrer. Todavia, também esta dimensão está presente na teologia do conceito de graça: “Por que vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo, e não somente crerdes nele” (Filipenses 1:29).

A igreja dos dias de hoje, de modo geral, tem se identificado com o individualismo e hedonismo do mundo, e tem conseqüentemente se tornado uma comunidade sentada à beira do caminho e preguiçosa. Este é um pecado que há de ser corajosamente confessado e abandonado mais cedo ou mais tarde.

Os versículos 1 a 12 do capítulo 47 de Ezequiel contêm um conteúdo incomensurável. Eles fornecem a mais clara descrição simbólica já feita sobre um rio espiritual. O rio, na visão de Ezequiel, sai do Templo e dá vida a terra desde Jerusalém até o mar Morto.

Quando pedimos ajuda para alguém e esta pessoa nos atende de má vontade, o nosso sentimento é de indignação.