Com a vinda de Cristo a este mundo, a situação das mulheres mudou dramaticamente. Nas nações pagãs da antiguidade, as mulheres eram consideradas como possuindo posição inferior à das crianças ou mesmo dos escravos. Muitas eram mortas ao nascer apenas por serem meninas; oferecidas como sacrifício em rituais pagãos ou obrigadas a prostituir-se em honra a ‘deuses’ da região.

À medida que os povos bárbaros foram sendo evangelizados com a mensagem de salvação do Cristianismo, as mulheres foram sendo valorizadas e sua dignidade, recuperada. Na própria história primitiva do Cristianismo as mulheres tiveram papel indispensável. Vemos isso exemplificado nas mulheres que seguiam e aoiavam Jesus (Lucas 8:1-3), na virgem Maria (Atos dos Apóstolos 1:14), em Priscila (Atos dos Apóstolos 18:26), Febe (Romanos 16:1), Trifena, Trifosa e Pérside (Romanos 16:12), apenas para citar algumas.

Para os Batistas do Sétimo Dia, a atuação das mulheres sempre foi relevante. Neste artigo, gostaria de apresentar alguns nomes pouco conhecidos, mas que fizeram parte da história da denominação.

Dorothy Traske foi esposa e apoiadora de John Traske, um dos primeiros pregadores sobre a doutrina da guarda do Sábado, em Londres, em 1617. John Traske sofreu diversas humilhações, foi proibido de pregar, teve de pagar uma multa bastante alta e condenado à prisão perpétua. Depois de um ano preso, abriu mão de suas crenças e retornou à Igreja da Inglaterra. Contudo, Dorothy não abriu mão de sua fé, tendo permanecido na prisão por 25 anos. Que exemplo de determinação e firmeza de fé! Embora o casal Traske não tenha tido relações com o grupo que posteriormente se tornaria a Igreja Batista do Sétimo Dia, suas idéias e pregações ajudaram na divulgação da questão sobre o verdadeiro dia do Senhor.

Ann Mumford e seu esposo Stephen Mumford foram os primeiros Batistas do Sétimo Dia no continente americano, tendo migrado da Inglaterra. Documentos Batistas de 1661 apontam o casal como guardadores do Sábado. Em razão da influência e exemplo de ambos, muitos membros da Igreja Batista em Newport foram convencidos da legitimidade da guarda do Sábado.

Tacy Hubbard e seu esposo Samuel Hubbard também vieram da Inglaterra para os Estados Unidos; ele em 1633, e ela em 1634. Casaram-se em 1636. Em 1647, converteram-se à fé Batista. Samuel afirma que o esclarecimento da ordenança do batismo como válida apenas para adultos veio primeiramente à Tacy, e que ela foi zelosa na defesa dessa doutrina. Em 1665, ambos creram a respeito do Sábado, sendo, mais uma vez, Tacy a primeira a enxergar a nova luz. Samuel escreveu em seu diário: ‘Minha esposa convenceu-se da guarda do Sábado como dia santo do Senhor em 10 de março de 1665. Eu aceitei-o em 1º de abril de 1665.’ Devido à oposição que receberam da igreja que frequentavam, ambos foram obrigados a retirar-se dela em 1671, quando organizou-se então a primeira Igreja Batista do Sétimo Dia na América.

Lucy Carpenter e seu esposo Solomon Carpenter estavam entre os primeiros missionários enviados pela denominação para a China, sendo responsáveis pela organização da Igreja em Xangai, em 1850. Ela era professora nos Estados Unidos antes de decidir acompanhar o seu esposo na obra evangelística. Por motivos de saúde, tiveram de retornar aos EUA em 1858, deixando a igreja com 11 membros sem liderança pastoral. Quando retornaram em 1860, a igreja estava viva e brilhante. Em 1864, voltaram para casa novamente devido a problemas de saúde. Retornaram à China em 1873, mas Lucy faleceu de cólera em 1874. Em 1949, a Igreja Batista do Sétimo Dia de Xangai, plantada com muito amor e esforço pelo casal Carpenter, contava com 670 membros – simplesmente a congregação com o maior número de membros da denominação no mundo!

Hannah Lanphere Hull (1787-1845) foi importante para a conversão de seu esposo, Richard Hull. Foi ela quem o ensinou a ler e escrever, e ele veio a se tornar um importante pastor e evangelista da denominação. Quatro dos filhos do casal se tornaram pastores, e a filha, Martha, também pregava ocasionalmente. Não podemos subestimar o papel das mulheres em nossa história. O seu zelo e amor por Cristo têm feito muito pela Igreja e à sociedade em geral. Nesse momento, em nossas igrejas do Brasil, os ministérios femininos têm abençoado as congregações e dado um toque especial a cada uma delas. Que tal agradecer hoje a Deus pelas mulheres que Ele levanta para a Sua obra, e parabenizá-las por seus esforços, que, embora muitas vezes não vistos, estão registrados nos livros do céu?

Referências

MANGALWADI, Vishal. O Livro que Fez o Seu Mundo. Como a Bíblia Criou a Alma da Civilização Ocidental. Editora Vida, 2012. 464 p.

SANFORD, DON A. Um Povo que Escolhe: A História dos Batistas do Sétimo Dia. Conferência Batista do Sétimo Dia, 2007. 476 p. 

Artigos Relacionados

Modo de ser Batista do Sétimo Dia Modo de ser Batista do Sétimo Dia
Quando alguém pesquisa sobre os batistas e, mais especificamente, os Batistas do Sétimo Dia, acabam fazendo prolegômenos e mais prolegômenos sobre...
Mulher, como está o seu coração? Mulher, como está o seu coração?
Meu filho, escute o que lhe digo; preste atenção às minhas palavras. Nunca as perca de vista; guarde-as no fundo do coração, pois são vida...