Banner da lição da escola bíblica vigentePara se se ter uma vida espiritual saudável, a busca diária através da oração e da leitura bíblica não é algo opcional. Se quisermos permanecer de pé espiritualmente, mesmo sendo bombardeados todos os dias pelo inferno e todos os tipos de tentações, é imprescindível buscar na fonte eterna, que é Cristo Jesus, forças para cada dia de batalha. Cada cidadão do Reino de Jesus deve tomar sua carne, suas vontades e lançar-se de vez, sem olhar as circunstâncias adversas.

Receba os Devocionais

Neste mês de outubro, no dia 31, celebra-se os 500 anos da Reforma Protestante do século XVI. Reformar é formar de novo. No século XVI os Reformadores se viram em uma Igreja que havia se conformado ao mundo (Romanos 12:2), se deformado e distanciado das Escrituras Sagradas, e, então, iniciaram cada um, a partir de onde estava um movimento que visava reformar a Igreja, levando-a de volta aos princípios bíblicos, e à simplicidade dos primeiros séculos. A pesada estrutura de então, apegada aos seus conceitos, não se deixou reformar, e o movimento protestante deu origem às Igrejas Protestantes.

Meio milênio depois que Martinho Lutero, João Calvino e outras pessoas inspiradas romperam com um modelo de religiosidade que impunha condições humanamente inspiradas a pessoas que – com isso – tinham dificultados seus esforços de aproximar-se de Deus, a fé cristã do século XXI pode-se afirmar como sendo fruto de uma reforma necessária e bem-sucedida.

Conquanto, seja necessário dizermos que os Batistas em geral, entre eles os Batistas do Sétimo Dia, não sejam protestantes, ou seja, frutos da Reforma Protestante, porque historicamente o movimento que deu origem às Igrejas Batistas aconteceu na Inglaterra no século XVII. Não há como negarmos que a Reforma impactou também aos primeiros Batistas.

Falando nisso, há relatos, de alguns historiadores, de que precursores daqueles que se tornariam Batistas tenham sido perseguidos por alguns seguidores dos Reformadores Protestantes.[1] Milhares não contados perderam seus bens, suas terras e suas vidas nestas perseguições. Konrad Grebel morreu na prisão em 1526. Felix Manz foi afogado pelas autoridades em Zurique em 1527.[2] Balthauser Hubmaier, líder de um movimento que defendia o batismo somente de crentes adultos, foi queimado vivo em Viena no dia 10 de março de 1528. Três dias depois, sua esposa morreu afogada, tendo sido lançada da ponte sobre o Rio Danúbio, com uma pedra amarrada ao pescoço.[3]

Não obstante, os Batistas aceitaram as grandes verdades da Reforma e insistiram que o retorno às Escrituras deveria ser uma tarefa contínua para os cristãos. Por isso, levaram às últimas consequências o reconhecimento da Bíblia como única autoridade espiritual, acima de hierarquias e documentos eclesiásticos. Incentivaram todos os seus membros, com liberdade de consciência, a estudarem as Escrituras. Organizaram-se em torno do sacerdócio universal de todos cristãos, rejeitando qualquer clericalismo. Estabeleceram congregações autônomas, governadas pelos membros regenerados em Cristo, completamente separadas do Estado. Rejeitaram qualquer ideia sacramental, ensinando que a salvação é pela graça somente. Decidiram batizar apenas aqueles que dessem sinais de arrependimento e conversão, após pública profissão de fé, o que se tornou uma rejeição ao batismo de recém-nascidos.

Como Batistas do Sétimo Dia, nós defendemos que o cristianismo tem seu modus vivendi e operandi (modo de fazer e viver) estabelecidos nas Escrituras Sagradas, Antigo e Novo Testamentos, e negar isso é perder o norte estabelecido por Deus (2 Timóteo 3:14-17).

Ao celebrarmos os 500 anos da Reforma Protestante do século XVI, e à luz de um dos seus lemas – Ecclesia Reformata et Semper Reformanda Est: Igreja Reformada Sempre Em Reforma – não podemos nos conformar a este mundo, nem aceitar as deformações vigentes nas igrejas ditas evangélicas, mas, reafirmarmos nossa identidade à luz da Bíblia Sagrada, e, desta forma, damos total aval aos cinco Solis defendidos pela Reforma:

Sola Gratia! Somente a Graça!

Sola Fide! Somente a Fé!

Sola Scriptura! Somente as Escrituras!

Solo Christus! Somente Cristo!

Soli Deo Gloria! Somente a Deus Glória!

Como Batistas do Sétimo Dia é mister vivermos sempre em reforma. Os cristãos evangélicos genuínos precisam afastar-se de todo e qualquer modelo de Igreja que representa um retorno a Roma. É tempo de voltar a dizer que a salvação é pela graça mediante a fé somente, sem qualquer participação dos bens deste mundo. É tempo de voltar às Escrituras, tornando-a em verdadeira norma do culto cristocêntrico. É tempo de ganharmos o mundo para Cristo por meio do bom testemunho cristão. É tempo de vivermos para a glória de Deus! É tempo de sermos uma igreja bíblica, reformada e contemporânea!

Referências

[1] RAMOS NETO, João Oliveira. Fé subversiva: Uma análise do conflito sociopolítico da ideologia anabatista com as demais propostas da Reforma Protestante na Europa Central entre os anos de 1525 a 1555. Tese Doutorado. Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2016, p. 35.

[2] RAMOS NETO, João Oliveira. 2016, p. 73.

[3] RAMOS NETO, João Oliveira. 2016, p. 63.

Artigos Relacionados

História da Igreja História da Igreja
História da Igreja Batista do Sétimo Dia no Brasil A Igreja Batista do Sétimo Dia tem a sua origem no “Movimento Separatista” do século...
Modo de ser Batista do Sétimo Dia Modo de ser Batista do Sétimo Dia
Quando alguém pesquisa sobre os batistas e, mais especificamente, os Batistas do Sétimo Dia, acabam fazendo prolegômenos e mais prolegômenos sobre...
A vida guiada pelo Espírito, segunda-feira
Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará...