Escrituras: Atos dos Apóstolos 4:1-20

“Ao verem a ousadia de Pedro e João, sabendo que eram homens iletrados e incultos, ficaram admirados; e reconheceram (uma coisa) que eles haviam estado com Jesus.” Atos dos Apóstolos 4:13

Qual é a fonte de sua confiança? É a sua posição, ou grande títulos? É a sua educação ou seus contatos?

Meu emprego em uma organização interdenominacional há algum tempo me enviou a vários fóruns e reuniões com altos dignitários do meio religioso e político. Muitas vezes eu costumava ser rebaixado quando vinham as apresentações … “Eu sou Bispo tal e tal, Apóstolo tal e tal, Profeta tal e tal… e quando o microfone vinha para mim, eu dizia timidamente: “Eu sou Pastor tal e tal”. Isso se tornou cada vez mais desafiador quando pediam para mencionar a denominação que participava. Outros ao redor de mim provavelmente diziam em seus corações: “Meu amigo como você se encontra aqui? O que traz você a este fórum? Nestes fóruns, os organizadores cometiam o grave erro de colocar uma pessoa como eu para liderar as devocionais, eles nem pensavam duas vezes para me oferecerem para falar sobre a graça. Os organizadores quando escolhem alguém para ministrar querem saber quem é quem, qual Curriculum Vitae é o mais rico e de qual denominação a pessoa provém. Antes do pregador começar a exposição da Palavra, o público desejava ansiosamente saber quem era o pregador, em termos de títulos, do seu nome e de qual denominação ele era, para então prepararem seus ouvidos ao que ia ser ministrado.

Nós vivemos em um mundo onde a espiritualidade é julgada ou associada com educação, títulos e tamanho da denominação que a pessoa provém. Tanto quanto eles esperam alguém para falar sobre Jesus, poucos deles perguntam se a pessoa já teve um encontro ou esteve com Jesus. Nós muito pensamos que o conhecimento de Jesus vem com os títulos ou qualificações teológicas. Até mesmo nos dias de Jesus, as pessoas se importavam muito sobre qual Rabi estava lecionando. Eles tinham esses grandes nomes como Gamaliel, Shammai ou até mesmo Nicodemos.

Quando Pedro e João, os ex-pescadores, estavam sendo intimados para enfrentar o Sinédrio, não havia necessidade para o Sinédrio envolver até mesmo seus ensinadores da lei para processá-los ou envolver renomados Rabis para comprometê-los em um debate teológico. Essa era uma audiência muito simples e direta. Eles estavam lidando com homens sem instrução e comuns. Quando Pedro e João se levantaram para falar, o Sinédrio recebeu um choque em suas vidas. Os homens eram corajosos, tinham confiança, eles falavam com autoridade e acima de tudo eles eram bem informados e sábios. O ajuntamento ficou atordoado mas perceberam uma coisa… os dois homens de aparência simples tinham estado com Jesus. As pessoas foram capazes de ver as características de Jesus naqueles dois homens.

Muitas vezes as pessoas nos perguntam se nós somos cristãos ou de qual religião (se tem alguma) nós somos. As Escrituras nos orienta para que nossa maneira de viver ou nossas condutas sejam dignas do Evangelho de Cristo (Filipenses 1:27). As pessoas deveriam ser capazes de identificar a semelhança e os traços de Cristo em nós e perceber que estamos com Cristo. Das muitas credenciais que nós podemos ter, a primordial e mais importante é ter se encontrado com Cristo. Se há alguma coisa que nós podemos nos vangloriar ou admirar é sobre termos Cristo e sua Verdade dentro de nós (2 Coríntios 11:10). O maior e mais honrado título que alguém poderia ter é ser chamado de cristão (Atos dos Apóstolos 11:26) não somente em títulos mas em ações. A mais alta qualificação é ter encontrado Cristo e permanecer com Cristo, embora não fisicamente. Paulo ensinou e escreveu todas as suas epístolas, não por causa que ele tinha sido um fariseu, nem tão pouco por ter sido tutoriado por um Rabi renomado, mas por causa de uma coisa; ele encontrou Jesus no caminho para Damasco. Quando ele estava preenchendo o seu Curriculum Vitae, ele classificou a experiência dele com Cristo (2 Coríntios 11:17-30). A mais prestigiosa denominação que nós devemos nos gloriar não é sobre o nome Batista do Sétimo Dia, mas a denominação que tem Cristo, que ensina sobre Cristo e pratica o que Cristo também ensinou e defendeu.

Reflexões:

  1. Você já se encontrou em uma situação onde você teve que defender a si mesmo e o que você crê?
  2. Você já foi desafiado para defender sua denominação? O que você disse?
  3. Os seus acusadores ou opositores foram capazes de ver Cristo em você ou em sua denominação?
  4. As pessoas ao nosso redor são capazes de ver Cristo em nossas vidas ou em nossa denominação?

Oremos pelos Batistas do Sétimo Dia em Gâmbia, Gana, Guiné-Bissau, Guiana*, Haiti e Índia*.

* Conferências que são membros da Federação Mundial Batista do Sétimo Dia.

Artigos Relacionados

Encarte Missionário Internacional 2019 Encarte Missionário Internacional 2019
Jesus deixou muito claro que missões não têm fronteiras (Atos 1:8). Portanto, as Igrejas Batistas do Sétimo Dia Brasileiras têm tido a tradição de...
Uma coisa eu faço: prossigo para o alvo
Escrituras: Êxodo 14:10-15; Filipenses 3:12-14 “Uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficam para trás e avançando para as que estão diante de...
Uma coisa é indispensável: Intimidade com Jesus
Escrituras: Lucas 10:38-41 “Marta! Marta! Você anda inquieta e se preocupa com muitas coisas, mas apenas uma coisa é necessária. Maria escolheu a boa...
Uma coisa à disposição: Praticando suas habilidades, simples assim
Escrituras: Êxodo 3:1-21; 4:1-3 “O que é isso que você tem na sua mão? Ele respondeu: um bordão.” Êxodo 4:2 Quando perguntaram a Moisés: “o que é...