Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, pois o veremos como ele é.    

1 João 3:2

Tratar a respeito de identidade está diretamente ligado a quem somos em Cristo, como Ele nos vê e quem Ele nos chamou para ser, nisso está nossa verdadeira identidade.

É muito comum nos depararmos em algum momento de nossas vidas com alguma crise de identidade ou com uma confusão de identidade ou até mesmo nos identificarmos com uma identidade que, definitivamente, não temos. Baseados nisso, acabamos vivendo uma vida contrária à vontade de Deus, desdobrando em problemas, confusão (racional ou sentimental) e vazio.

Uma realidade que vivenciamos diversas vezes é a luta contra as mentiras que surgem ou são lançadas na nossa mente a respeito de nós mesmos, acusações e rótulos de pessoas que nos cercam ou, muitas vezes, é o maligno tentando nos convencer que somos definidos por algum pecado que cometemos, que as marcas de nossa vida ou nossas más escolhas e erros podem determinar de forma imutável nossa identidade, desta maneira, o inimigo tenta desfazer a certeza de quem Cristo é em nossas vidas.

Se nossa identidade é determinada pelo que fazemos, ficamos dependentes da necessidade de fazer mais e mais, alcançar mais e mais, como tentativa de conseguirmos algum tipo de plenitude e estabelecermos nosso valor, o que é aprisionante e impossível de alcançarmos sozinhos. Se nossa identidade é determinada pelo que os outros dizem a respeito de nós, fracassaremos, pois é impossível agradar a todos e o nosso foco em agradar a Deus estará desviado.

Erros, fracassos, traumas e acusações não podem destruir o que Deus preparou para nós e quem Ele nos chamou para ser, por isso, não deixemos de ser quem verdadeiramente somos, de ser como Deus nos enxerga, como Deus nos criou. Deus diz quem somos, para Deus nada muda aquilo que nós somos para Ele. Em 1 Pedro 2:9-10 diz:

  Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. Antes vocês nem sequer eram povo, mas agora são povo de Deus; não haviam recebido misericórdia, mas agora a receberam.    

1 Pedro 2:9-10

A certeza de pertencemos a Deus nos dá uma marca e nos torna preciosidades. Não são os títulos, o currículo, a inteligência, as amizades, o status, nem o dinheiro, mas saber que temos um dono maravilhoso e sublime, o único e verdadeiro Deus triuno (Pai, Filho Jesus e Espírito Santo) que nos criou e colocou Suas digitais em nós. Quando Deus criou cada parte da Terra, Ele o fez com palavras, mas quando criou o homem e a mulher, Ele não deu apenas uma palavra, ele criou o homem e a mulher com suas próprias mãos (Gênesis 2:7 Gênesis 2:21-22), concedendo fôlego de vida e criando à Sua imagem e semelhança (Gênesis 1:26). Nisso, Deus planeja cada um de nós como únicos e estabelece Seus propósitos para nós desde o ventre de nossas mães (Salmos 139:13-14).

Quando entendemos nossa verdadeira identidade, paramos de ser outra pessoa, querer ser alguém que admiramos, paramos de ser o que os outros dizem a nosso respeito ou o que as mentiras do Maligno dizem a nosso respeito. Somos feitura de Deus, criados em Cristo Jesus para as boas obras que Deus preparou (Efésios 2:10).

Receber a Cristo como nosso Senhor e Salvador, o qual deu a Si mesmo para nos redimir de nossos pecados, transgressões e afastamento dEle, nos torna filhos de Deus (João 1:12), o principal atributo de nossa verdadeira identidade. Dessa maneira, temos confiança para nos aproximarmos de Deus, sabendo de Seu cuidado e amor, como um filho confia em um pai bom. Com a certeza que somos filhos amados de Deus nenhuma mentira, circunstância ou pessoas poderão desfazer de quem verdadeiramente somos.

Não somos perfeitos, somos falhos e pecadores, mas Aquele que começou a boa obra em nós é fiel e justo para completá-la até a volta do Senhor (Filipenses 1:6). O Oleiro, nosso Senhor Jesus, irá nos moldar ao longo de nossa vida para sermos cada vez mais parecidos com Ele, pois é a imagem conforme Ele nos criou, até que alcancemos Sua plenitude (2 Coríntios 3:18; 1 João 3:2). Que possamos nos apegar a essa esperança!

Como reconhecermos e vivermos nossa verdadeira identidade? A resposta parece simples, mas ao ser vivida é extremamente poderosa. Meditar na Palavra e ouvir a voz de Deus é crucial para aprendermos cada vez mais sobre Ele e como Ele nos vê (João 6:57; Gálatas 2:20). Temos a total liberdade para perguntar a Deus o que Ele pensa a nosso respeito e os propósitos dEle para a nossa vida, para pedir/clamar que possamos nos enxergar como Ele nos enxerga; e, assim, declarar verbalmente ou em pensamento todos os dias o que Deus nos fala a respeito de nossa verdadeira identidade (“cri, por isso falei” – 2 Coríntios 4:13), para que possamos reconhecê-la e vivê-la, para a glória de Deus.

  Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face. Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente conhecido.    

1 Coríntios 13:12

Artigos Relacionados

O fruto do Espirito Santo, quinta-feira
o que diz respeito à mansidão, essa parte do fruto nos traz uma promessa maravilhosa, que João viu: “E vi um novo cé...
Questões de gênero são abordadas em decisão do STF Questões de gênero são abordadas em decisão do STF
“Todo cidadão tem direito de escolher a forma como deseja ser chamado.” Essa foi a decisão do Supremo Tribunal Federal no dia 1º de março de 2018, por...