O falecido teólogo Greg Bahnsen cunhou a expressão "exegese de jornal" para se referir às interpretações de profecias baseadas em notícias de jornais, ao invés de na Bíblia. Manchetes sensacionalistas são "encaixadas" em versículos bíblicos, ao invés de se procurar o seu significado exato por meio da análise do contexto histórico e textual, da forma literária, da gramática, do público original, do cronograma dos eventos e da comparação com o restante das Escrituras.

Por que estou chamando a atenção quanto a isso? Porque nos últimos dias tenho visto muitos dos meus amigos cristãos no Facebook compartilhando textos e estudos referindo-se aos recentes conflitos na Síria como o cumprimento de antigas profecias bíblicas (como Isaías 17 e Jeremias 49), que falam sobre cidades sírias sendo destruídas e abandonadas.

Longe de duvidar da sinceridade e boa vontade de meus irmãos em Cristo, gostaria de lhes apontar que tais aplicações dos textos são indevidas. Faltaria espaço para se fazer uma análise verso a verso desses capítulos, mas os principais comentaristas bíblicos atestam que essas profecias já cumpriram-se no passado, no ataque dos assírios contra Damasco, em 732 a.C.

Por exemplo, quanto a Isaías 17, o Comentário Bíblico Moody explica:

"Este capítulo é contemporâneo de Isaías 7 e prediz a queda da coligação do norte no reinado de Acaz. Tiglate-Pileser deixara Damasco em um montão de ruínas em 732 a.C.; do mesmo modo suas cidades-vassalos, tais como Aroer perto de Rabate-Amom. A glória de Damasco seria removida junto com a do Israel do Norte (que alcançara tais alturas sob o governo de Jeroboão II, 782-753 a.C.). Só um remanescente lamentavelmente pequeno das dez tribos é o que restaria, como as últimas espigas de trigo ou as últimas olivas deixadas após a colheita."

De acordo com o Comentário de John Oswalt sobre o livro de Isaías

"Damasco exercia uma influência que chegava a outras cidades distantes de tamanho comparável. Contudo Isaías diz que Damasco se converterá de uma cidade numa ruína. No tempo das profecias contra Filístia e Moabe, essa profecia já se tomara realidade em grande parte, quando Salmaneser a vencera depois de desastroso cerco em 732."

O teólogo Hank Hanegraff também explica que

"se olharmos para o que a Bíblia realmente diz, fica muito claro que o cumprimento da profecia também é relatado pelo texto bíblico. Se você olhar para o que começa a ser dito em Isaías 7 verá uma permutação, e seu cumprimento é descrito no capítulo seguinte, em Isaías 8"

Muitas profecias bíblicas sobre o final dos tempos ainda estão por se cumprir, mas essa sobre a destruição da Síria não é uma delas. Ao invés de divulgarmos interpretações alarmantes, nos convêm dedicarmos mais tempo ao estudo das Escrituras e nos colocarmos em oração e súplicas pelas vidas daqueles que estão sofrendo na Síria, pessoas preciosas pelas quais Cristo morreu.

Artigos Relacionados

O povo de Deus e guerra interna, terça-feira
  ORA Sarai, mulher de Abrão, não lhe dava filhos, e ele tinha uma serva egípcia, cujo nome era Agar. .   ORA Sarai,...
Quinta opressão, quarta-feira
  DE onde vêm as guerras e pelejas entre vós? ?  DE onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Porventura não...
Quinta opressão, domingo
  Porque Jerusalém está arruinada, e Judá caída; porque a sua língua e as suas obras são contra o SENHOR, para provocarem os olhos da sua glória...
Projeto Cabo de Guerra Projeto Cabo de Guerra
O Departamento Ministerial, no dever de suas atribuições, vem até a liderança eclesiástica das IB7 apresentar um conjunto de medidas que possibilitem...