Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.

1 Coríntios 10:31

A nossa vida é repleta de rotinas. Temos a rotina de manter uma casa limpa e asseada, rotinas de trabalho. Mas, uma das rotinas que precisa estar constantemente em nosso lar é a de demonstrar amor pelas ações. A capacidade de agir é o combustível necessário para realizarmos os mais profundos desejos de nosso coração, ou seja, se aplicarmos isso em nossa vida, grandes bênçãos materiais e espirituais acontecerão. O agir também é uma forma de demonstrar amor por alguém. Por exemplo, dizer “eu te amo” pode ser fácil, mas falar e agir da mesma forma é que faz toda a diferença.

No Novo Testamento a palavra “ministério”, do grego diakonia, é também traduzida por “serviço”. O termo que os primeiros cristãos escolheram para descrever a sua adoração foi leitourgia, uma palavra que, como a hebraica avodah podia indicar “adoração ritual”, mas também “serviço público”. Adorar, “mais que palavras”, é adorar servindo ou servir adorando.

Quem disse que trabalho é tortura, enfado ou um fardo? Muito pelo contrário, o trabalho não foi uma incumbência atribuída ao homem como um fardo ou castigo, mas sim, ele foi criado por Deus e dado ao homem como um privilégio de administrar toda a criação divina. O trabalho é e sempre foi uma bênção de Deus para nós! Nossos afazeres diários são para a glória de Deus, pois através do nosso serviço temos a oportunidade de superar desafios e contribuir de forma significativa para a vida de outras pessoas, seja por meio da partilha do conhecimento ou por oferecer um serviço ético e impecável, usando seus dons e talentos.

Ao trabalharmos para demonstrar amor e o quanto você se importa com a pessoa que ama, ela sentirá o desejo de cada vez mais fazer coisas para agradar, mudando todo seu ambiente, seja no trabalho, na escola e principalmente em seu lar.

Em Provérbios 31 o texto fala muito sobre trabalho. Não foi a revolução feminina da década de 70 que deu o direito da mulher trabalhar dentro e fora de casa, à mulher de Provérbios 31 já trabalhava e muito! Deus concedeu essa liberdade! Ela gosta de trabalhar, “Busca lã e linho e de bom grado trabalha com as mãos”. (Provérbios 31:13). “Tudo o que ela faz é com dedicação e amor”, “Cinge os lombos de força e fortalece os braços” (Provérbios 31:17). Não é preguiçosa “Atende ao bom andamento da sua casa e não come o pão da preguiça”, (Provérbios 31:27). Ela garante a provisão de sua casa. A mulher virtuosa não deixa faltar nada para o seu marido, “O coração do seu marido confia nela, e não haverá falta de ganho”, (Provérbios 31:11).

Em Gênesis 24:19-21, é relatada a história de Rebeca. É bem provável que Rebeca não tinha planos de conseguir um casamento enquanto tirava água do poço para dar aos camelos da família. Mas Deus a surpreendeu no momento em que ela trabalhava, fazendo com que ela viesse a se tornar a esposa de Isaque. Isso nos prova que o Senhor pode nos honrar em qualquer momento, desde que estejamos fazendo aquilo que Lhe agrada, como, por exemplo, trabalhando com dedicação e amor.

Rute é outro exemplo, por amar a sua sogra buscou um trabalho e quando se propôs a trabalhar para o sustento seu e de sua sogra, conheceu Boaz e tornou se parte da genealogia de Jesus (Rute 2:2-4, Mateus 1:5). “Vou recolher espigas no campo daquele que me permitir” (Rute 2:2). Rute queria trabalhar, não importava onde. Ela se dispôs a “colocar a mão no arado” para ajudar no sustento de sua casa. Ela era viúva e vivia com a sua sogra, Noemi. Por providência divina, ela conseguiu emprego nas terras de Boaz, servo de Deus, que se casou com ela. Muitas pessoas perdem uma grande bênção porque não se dispõem a trabalhar. Não fazem como Rute, que assumiu a responsabilidade de sustentar sua casa e sua sogra e saiu para procurar um emprego. O presente do Senhor para sua vida foi uma consequência de sua iniciativa.

A Bíblia Também nos conta a história de uma mulher muito preciosa chamada Dorcas, que morava em Jope, numa cidade da costa do Mediterrâneo. Seu nome significava gazela e em hebraico ela era Talita. Muito querida por todos que habitavam ali, ela procurava fazer túnicas e vestidos para as viúvas e necessitados, e para isso não media esforços. Ela tinha um coração piedoso e não queria que ninguém passasse necessidade ou sofresse. Na congregação que ela frequentava, ela trabalhava com muito amor e dedicação. Todos que a conheciam a amavam e confiavam nela. A história de Dorcas é muito bonita e muito cheia de amor pelas pessoas. Ela era boa e tinha um bom coração, mas…  era humana, e um dia ela tinha que morrer. A sua morte foi chorada e lamentada por muitas pessoas, mas, desta vez, ela nada pôde fazer para aliviar o sofrimento deles. O Senhor, no entanto, estava com eles.

Lembro-me das palavras de uma senhora que, no auge do seu sofrimento, proferiu as seguintes palavras: “Depois daquele grave acontecimento, quando eu orava dizendo: Deus, queria que estivesses aqui para conversar comigo, envolver-me em Seus braços e enxugar minhas lágrimas”, passei a sentir que Ele estava fazendo tudo isso por intermédio dos cristãos que me cercavam. Foi aí que comecei a entender que a igreja não é um prédio; é o corpo de Cristo. Em meio à minha dor, Deus deu-me amigos cristãos que me ensinaram sobre o amor e o perdão”.

Deus nunca nos abandona, assim como não abandonou aquelas que choravam por causa da morte de Dorcas. A Bíblia nos diz que "… ouvindo os discípulos, que Pedro estava ali, lhe mandaram dois homens, rogando-lhe que não se demorasse em vir ter com eles" (Atos dos Apóstolos 9:38). Pedro, prontamente, atendeu ao chamado deles e foi para Jope. Chegando lá, viu várias pessoas chorando a morte de Dorcas. Algumas viúvas mostravam as túnicas e roupas que ela lhes havia dado. Pedro então mandou que todos se retirassem do quarto, orou fervorosamente, e ao se aproximar dela, disse: “Talita, levanta-te. E ela abriu os olhos, e vendo a Pedro, assentou-se. E ele dando-lhe a mão, a levantou, e chamando os santos e as viúvas, apresentou-lhe viva”, (Atos dos Apóstolos 9:40-41).

Dorcas foi à única mulher da Bíblia a ser chamada de discípula, ou seja, seguidora de Jesus, aprendiz, aquela que se senta aos pés do seu mestre… A sua vida é um exemplo para a nossa vida.  Logo depois de sua ressurreição, Dorcas continuou a costurar vestidos para as viúvas de sua cidade. Fazer túnicas era a forma como ela adorava a Deus! Como ela demonstra amor àquelas pessoas e testemunhava das grandezas de Deus. O serviço implica, logicamente, em mais que palavras e pensamentos, por mais poéticos e filosóficos que sejam. A adoração é enganosa quando não há serviço real ao reino de Deus. A verdadeira adoração anda de mãos dadas com o serviço (“…ao Senhor teu Deus adorarás e só a ele servirás” Mt.4.10). Porque se nossa adoração não resultar em serviço, perde seu valor.

Fred Smith disse uma frase muito interessante para descrever isso: “Meu trabalho é minha adoração”. Afirmando que o cristão precisa ter um profundo sentido ministerial do seu trabalho. Essa não é uma afirmação mecanicista de obrigatoriedade do testemunho cristão; é algo muito mais profundo, pois diz respeito à criação de uma comunhão profunda entre cristianismo e ambiente de trabalho.

Meu trabalho, meu ministério, minha adoração, “Podemos transformar um trabalho ordinário (rotineiro) em uma missão extraordinária se percebermos que Deus nos colocou exatamente nesse lugar como uma oportunidade para influenciar os que estão ao nosso redor para Seu reino, pois sempre que estamos servindo outra pessoa com amor, estamos cumprindo o ministério bíblico, um serviço a Deus e até adoração. Adoração é um estilo de vida que inclui comunhão com Deus e com os irmãos; contemplação, prostração e vida de serviço. Nosso senso de adoração precisa ser, sobretudo bíblico, impactando intensamente cada aspecto da nossa vida. Nossa comunhão e nossa adoração devem resultar em obras, pois se assim não for, perdem seu sentido. Somos cristãos, quer durmamos, comamos ou trabalhemos; qualquer coisa que fizermos, faremos como filhos de Deus”.

Nosso cristianismo não serve apenas para os momentos piedosos ou atos religiosos. O cristianismo dever ser aplicado no nosso dia a dia. Enquanto vamos “INDO” pelo caminho, trabalhando, evangelizamos. Na passagem de Marcos 16:15-16 tem uma ordenança: “Enquanto estiverdes indo pelo mundo inteiro proclamai o Evangelho a toda criatura” (no original, o verbo ir deste versículo está no modo particípio e indica ação em desenvolvimento, parecido com o nosso gerúndio no português, por isso, sua melhor tradução seria indo ou enquanto vão). INDO POR TODO O MUNDO, OU PELO CAMINHO temos a oportunidade de demonstrar o amor de Deus, pois o Evangelho é ação, vida, movimento é um desafio diário.

As Escrituras nos ensinam que toda a nossa vida deve ser para glória de Deus passar. Glorificar a Deus não está relacionado somente aos nossos cultos, quando de mãos levantadas adoramos ao Senhor pelos seus benefícios. Na verdade, as Escrituras nos ensinam que toda a nossa vida deve ser para glória de Deus, o que nos leva ao entendimento que a escola, a universidade, o trabalho e a família devem servir de palco para exaltação do Senhor. Lembro-me da frase de Francisco de Assis: “Pregue o Evangelho em todo tempo. Se necessário, use palavras.” Se queremos um mundo mais cristão, devemos trocar a nossa pregação falada por uma pregação vivida. Precisamos compreender que o poder não está em nós, mas naquele que nos fortalece, Cristo Jesus, é ele que nos capacita para cumprir a sua vontade em nossas vidas, a nós cabe o obedecer. O dizer eis-me aqui, usa-me segundo o teu querer. Somos chamados a viver para a glória de Deus.

As Escrituras nos mandam a fazer tudo para a glória do Senhor, o que significa fazer da vida um grande “culto” a Deus. O apóstolo Paulo, o grande defensor do Cristianismo, no texto de 1 Coríntios 10:31 diz de uma forma bem clara que, desde as coisas mais básicas da vida como comer e beber, às mais complexas, devemos fazer tudo para a glória de Deus. Não vivemos, nem morremos para nós mesmos. Nascemos para a glória de Deus. Estudamos para a glória de Deus. Trabalhamos para a glória de Deus. Casamo-nos para a glória de Deus. Criamos filhos para a glória de Deus. Fazemos tudo para a glória de Deus. Você e eu fomos feitos para o propósito expresso de glorificar a Deus em todo tempo, lugares e circunstâncias. Tudo em nossa vida é uma oportunidade para glorificar, ou não, a Deus. A glória de Deus é o condutor que governa todas as áreas da nossa vida. Se perdermos esse foco, a vida perderá o sentido. Adorar a Deus, amar as pessoas e usar as coisas é a nossa máxima prioridade. Se abandonarmos esse ideal, esquecer-nos-emos de Deus, amaremos as coisas e usaremos as pessoas. Só quando Deus ocupa o primeiro lugar em nossa vida, as outras áreas se encaixam em seu devido lugar. Só quando fazemos tudo para a glória de Deus, fazemos com excelência e temos propósito no que fazemos, pois somos chamados por alguém: Deus. Para servir, amar e evangelizar.

Fazer as coisas para a glória de Deus, é anunciar o evangelho através da vida, e mesmo sem, às vezes, ter a chance de tocar no nome de Jesus, representá-lo e fazer a diferença para os que estão ao redor. Só quando fazemos tudo para a glória de Deus, nossas palavras e ações deixam de ser egoístas para se tornarem abençoadoras. Só quando fazemos tudo para a glória de Deus, entendemos que nosso trabalho é uma oportunidade de demonstrarmos o amor de Deus, desde as pequenas coisas que fazemos, como um copo de água fria dado ao sedento, é uma liturgia de adoração ao Senhor. Eis nosso maior privilégio, nossa maior responsabilidade, nossa maior plataforma de vida: fazer tudo para a glória de Deus! Quando entendemos que o trabalho que realizamos nos nossos lares também é de suma importância para o reino de Deus, faremos nosso serviço com amor, como se fosse para o Senhor. É no meu lar que o meu ministério se inicia, que eu começo colocar meu chamado em prática, É ao redor da minha mesa, com meu esposo e filhos.

Quando limpo a casa, cozinho, lavo a roupa e faço o que for necessário para que todos se sintam aconchegados e parte daquele lar, estou demonstrando o amor de Deus e minha gratidão pela linda família que Ele me deu. Um serviço realizado com cuidado é um meio de glorificarmos a Deus e testemunharmos ao mundo um estilo de vida pautado pela ética e responsabilidade. “Não nos amemos de palavras nem de boca, mas sim de atitudes e em verdade”. O texto de Filipenses 2 nos mostra exatamente como Jesus amou sem limites, serviu sem reservas e se deu por inteiro. Este tem que ser o nosso alvo e padrão.

Pode ser que você ache que ninguém valoriza o seu trabalho. Pode ser também, que algumas pessoas o menospreze. Mas saiba que o Senhor sabe de todas as coisas e valoriza o que você faz. No momento certo, Ele vai te levantar para que todos te vejam! O Salmos 128:2 nos diz que do trabalho de nossas mãos comeremos, feliz seremos e tudo de bom nos acontecerá. Não importa se nossa profissão é valorizada, reconhecida ou mal remunerada. Deus sempre terá uma recompensa para aqueles que fazem seu trabalho com amor. A vitória é companheira dos trabalhadores. II Crônicas traz a história de um dos melhores reis de Israel, Ezequias. Ele conseguiu levar a nação para a prosperidade política, financeira e principalmente espiritual. No final de sua vida, a Bíblia revela a razão de seus resultados: “…ele buscou o seu Deus e trabalhou de todo o coração; e por isso prosperou” 2 Crônicas 31:21. Seja em sua profissão, seja na igreja, ou em qualquer outra atividade que você desenvolva, você precisa dedicar tudo para Deus e fazer o seu melhor. Nem sempre é possível fazer o que se ama, mas é preciso esforçar-se para sempre amar o que se faz.

Ame a Deus. Ame sua família. Ame seu trabalho. Ame sua Igreja. Ame sua vida. Trabalhe duro. Faça o melhor de todo o coração. E no final de tudo, poderá comprovar em sua vida o que Paulo diz em I Cor. 15:58: “Portanto, meus amados irmãos, mantenham-se firmes, e que nada os abale. Sejam sempre dedicados à obra do Senhor, pois vocês sabem que, no Senhor, o trabalho de vocês não será inútil”. Todo seu trabalho e esforço será recompensado, se não aqui, na eternidade!

Perguntas para reflexão

  1. No Novo Testamento encontramos um desafiador texto de Paulo: “Tudo o que fizerdes, fazei-o de todo coração, como para Deus e não para os homensColossenses 3:23. Reflita profundamente sobre o significado de “fazer de todo o coração”.
  2. A mais reveladora verdade desse verso é que qualquer que seja seu trabalho, você está trabalhando para Deus! A pergunta é: Como você está trabalhando para Deus? Dando o seu melhor?
  3. Você tem trabalhado com alegria, como se estivesse trabalhando para o próprio Deus?

Artigos Relacionados

Dia dos Avós: 2x amor, 2x compreensão, 2x carinho Dia dos Avós: 2x amor, 2x compreensão, 2x carinho
No dia 26 de julho comemora-se o dia dos avós.  Dia esse, que nos dá a oportunidade para meditarmos, sobre o futuro que a todos nós aguarda e...
Declaração de Fé: Mordomia cristã Declaração de Fé: Mordomia cristã
NOSSA DECLARAÇÃO: “Nós cremos na soberania de Deus e na aceitação do nosso cargo de depositários da vida e das possessões, e na administra...
O julgamento e a morte de Jesus, sábado
  Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a...
O que a mim me concerne - consolo no salmo 138 O que a mim me concerne - consolo no salmo 138
  O Senhor cumprirá o seu propósito para comigo! Teu amor, Senhor, permanece para sempre; não abandones as obras das tuas mãos!    ...